Mercado fechará em 4 h 25 min
  • BOVESPA

    112.681,31
    +1.497,36 (+1,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.322,69
    -54,78 (-0,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,64
    +1,36 (+2,22%)
     
  • OURO

    1.712,60
    -3,20 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    49.298,21
    -1.676,58 (-3,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    988,47
    +1,26 (+0,13%)
     
  • S&P500

    3.808,93
    -10,79 (-0,28%)
     
  • DOW JONES

    31.233,91
    -36,18 (-0,12%)
     
  • FTSE

    6.628,07
    -47,40 (-0,71%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    -643,63 (-2,15%)
     
  • NIKKEI

    28.930,11
    -628,99 (-2,13%)
     
  • NASDAQ

    12.582,00
    -99,75 (-0,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7512
    -0,0275 (-0,41%)
     

Real fecha 1º mês do ano na lanterna; mercado aguarda eleições no Congresso de olho em fiscal

José de Castro
·3 minuto de leitura
REUTERS/Lee Jae-Won

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em alta nesta sexta-feira, chegando a superar 5,50 reais, puxado pela combinação de ambiente externo avesso a risco e ajustes na comunicação do Banco Central, com o mercado na defensiva às vésperas das eleições para o comando das casas legislativas.

O dólar subiu 0,77%, a 5,4786 reais na venda. A moeda oscilou entre 5,507 reais (+1,30%) e 5,4222 reais (-0,26%).

Na semana, a cotação ficou no zero a zero e só não subiu devido ao tombo de 2,71% da terça-feira.

Em janeiro, a moeda saltou 5,53%, maior alta mensal desde março de 2020 (+15,92%), no estouro da pandemia de Covid-19. A valorização ocorreu após dois meses seguidos de perdas: de 2,90% em dezembro e 6,82% em novembro.

No exterior, moedas como peso mexicano e dólar australiano --consideradas termômetros do apetite geral por risco-- depreciavam, enquanto Wall Street sofria uma nova onda de vendas após incertezas sobre eficácia de vacina da J&J e receios sobre novas operações especulativas com ações.

O real até teve performance melhor que seus pares regionais na semana, mas no cômputo de janeiro a divisa mostrou o pior desempenho global --atrás até mesmo do nocauteado peso argentino.

A fraqueza da divisa brasileira está associada, entre outros motivos, aos juros baixos, que deixam a moeda mais vulnerável a apostas de venda, num contexto de ampla incerteza sobre os rumos da política fiscal.

O mercado considerou que declarações feitas na quinta pelo diretor de Política Econômica do Banco Central, Fabio Kanczuk, e pelo presidente do BC, Roberto Campos Neto, esfriaram apostas em alta breve dos juros, o que acabou golpeando o real já na quinta e também nesta sexta. O dólar despencou 2,7% na terça-feira, quando a ata do Copom indicou um BC mais disposto a elevar a Selic.

Nesta sexta, dados mostraram explosão do déficit primário em 2020 e dívida pública em um recorde perto de 90% do PIB.

"Diante da perspectiva de menor crescimento e das incertezas fiscais, o real deve se manter pressionado neste início de ano", disse o Bradesco em nota na qual rebaixou a perspectiva de expansão do PIB neste ano de 3,9% para 3,6%, citando o agravamento da pandemia.

"Enquanto não for descartada a hipótese de um estímulo fiscal amplo em 2021, a moeda tende a se manter bastante descolada dos pares", afirmou o banco privado, considerando, "por ora", cenário-base em que a regra do teto será mantida e eventuais estímulos não comprometerão de maneira relevante a trajetória esperada para a dívida pública.

No fim do ano, o Bradesco espera que o dólar esteja em 5,00 reais.

De olho nos desdobramentos para a política fiscal, o mercado encerra a semana na expectativa pelas eleições, na semana que vem, para os comandos da Câmara e do Senado, com os dois candidatos publicamente apoiados pelo governo --Arthur Lira (PP-AL) para a Câmara e Rodrigo Pacheco (DEM-MG) ao Senado-- mantendo favoritismo.

"Ontem o PR (presidente da República), finalmente, defendeu explicitamente a bandeira de austeridade fiscal da equipe econômica... Semana que vem, se confirmada a vitória do Lira e o discurso continuar alinhado, acho que vai ser muito positivo para os mercados", disse Marcos Mollica, gestor de fundos multimercados do Opportunity.