Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,57
    +0,19 (+0,30%)
     
  • OURO

    1.768,40
    -2,20 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    54.987,82
    -918,10 (-1,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.232,73
    -66,23 (-5,10%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    +136,44 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.144,33
    -541,04 (-1,82%)
     
  • NASDAQ

    13.911,25
    +14,00 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6765
    +0,0008 (+0,01%)
     

Dólar fecha em alta com receio sobre Turquia

José de Castro
·2 minuto de leitura
Notas de reais e dólares

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar começou a semana em alta contra o real, repercutindo o fortalecimento da moeda norte-americana no exterior em meio a debates sobre contágio a mercados emergentes a partir da turbulência na Turquia, onde houve troca de presidente do Banco Central.

No fim da sessão, contudo, o dólar já estava longe das máximas do dia. A cotação fechou em alta de 0,64%, a 5,5190 reais na venda, após oscilar entre 5,549 reais (+1,19%) e 5,4952 reais (+0,21%).

O dólar foi às máximas do dia ainda na primeira hora de negócios, enquanto a lira turca despencava cerca de 9%, depois de recuar 15% no pior momento. O tombo da moeda ocorreu em resposta à demissão no fim de semana de Naci Agbal, então chefe do banco central da Turquia, a mando do presidente Recep Tayyip Erdogan.

A onda de perdas nos mercados turcos reativou discussões sobre potenciais ondas de choque em outros emergentes, temor que faz lembrar sobretudo as crises de emergentes durante a década de 1990. O mesmo debate se deu em 2018, quando de novo a Turquia foi alvejada por ondas de vendas que derrubaram a lira em quase 30%.

O último ano de valorização da moeda turca foi em 2012 (+5,8%). Desde então, a divisa já perdeu 77% de seu valor nominal ante o dólar.

Apesar das preocupações inicias, analistas do Citi avaliam que não há "crise" nos emergentes por três razões: limitado potencial de prejuízo devido às limitadas necessidades de financiamento desse grupo de países, processo relativamente moderado de redução de estímulos na China e expectativa de apoio ao comércio global com um salto na demanda norte-americana.

No Brasil, o destino do câmbio segue atrelado às perspectivas para a pandemia e a política fiscal. O dia foi de análise a possíveis desdobramentos no governo e no Congresso da carta aberta divulgada no fim de semana e assinada por mais de 200 economistas e empresários, na qual eles cobraram definições para combate à pandemia e para reorganização econômica e fiscal.

O banco francês Société Générale reiterou expectativa de mais depreciação cambial diante de uma combinação entre "fracos elementos domésticos" e "ambiente externo menos favorável".

"(Presidente) Bolsonaro deveria se concentrar nos próximos trimestres em reverter sua rápida queda de popularidade e (reverter) sua estratégia política de intervencionismo e populismo", disseram profissionais do Société em relatório sobre perspectivas para o segundo trimestre.

"O recente tom 'hawkish' do Banco Central e ações (de política monetária) provavelmente vão evitar uma depreciação ainda mais drástica (do real), mas o mercado 'uber hawkish' pode ficar decepcionado com o atual ciclo de aperto monetário", completaram.

O Société estima que o dólar terminará junho em 6,20 reais, fechará o terceiro trimestre em 6,40 reais, encerrará o ano em 6,60 reais e concluirá março de 2022 valendo 6,40 reais.