Mercado fechará em 6 h 13 min
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,74 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,71
    +3,56 (+5,22%)
     
  • OURO

    1.793,50
    +5,40 (+0,30%)
     
  • BTC-USD

    57.015,80
    +2.610,01 (+4,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.426,38
    -29,03 (-1,99%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,06 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.125,34
    +81,31 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    23.852,24
    -228,28 (-0,95%)
     
  • NIKKEI

    28.283,92
    -467,70 (-1,63%)
     
  • NASDAQ

    16.195,00
    +144,00 (+0,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3216
    -0,0269 (-0,42%)
     

Dólar salta ante real com percepção de Copom tímido; inflação e fiscal preocupam

·2 min de leitura
Notas de dólares

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) -O dólar registrou ganhos expressivos em relação ao real nesta quinta-feira pós-reunião de política monetária do Banco Central, com a alta adotada na véspera para a taxa Selic sendo vista por parte dos mercados como insuficiente diante dos persistentes riscos fiscais e inflacionários do Brasil.

A moeda norte-americana à vista saltou 1,27%, a 5,6260 reais na venda, sua maior desvalorização diária desde quinta-feira da semana passada, quando os ativos brasileiros foram golpeados pelo pânico de rompimento do teto de gastos. Na B3, o dólar futuro tinha alta de 1,57%, a 5,6265 reais.

Na quarta-feira, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC subiu os juros básicos para 7,75% ao ano, ante 6,25%.

Embora a alta de 1,5 ponto percentual tenha sido a mais acentuada desde 2002, alguns participantes do mercado esperavam maior agressividade no ritmo de aperto monetário, principalmente diante de ameaças concretas ao teto de gastos em meio à pressão do governo por um Auxílio Brasil de 400 reais e a surpresas para cima em indicadores recentes de inflação.

"O momento, a dimensão da pressão inflacionária presente, justificaria uma elevação da ordem de 2 a 2,5" pontos percentuais na taxa Selic, opinou em nota Sidnei Nehme, economista e diretor executivo da NGO Corretora, comparando a decisão da véspera do Copom a "enxugar gelo".

Investidores mostraram preocupação nesta quinta-feira com a possibilidade de o governo não conseguir aprovar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios --que abriria espaço para gasto extra com o Auxílio Brasil-- e recorrer a medidas que abalariam ainda mais a credibilidade fiscal do país para bancar o benefício.

A votação da PEC, prevista para esta quinta-feira, foi adiada mais uma vez e ficará para a semana que vem, segundo o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR). O relator da proposta, deputado Hugo Motta (Republicanos-PB), afirmou que a proposta não está "enterrada" e que líderes da base trabalham para mobilizar suas bancadas para votá-la na próxima quarta-feira.

Às vésperas do último pregão de outubro, alguns participantes do mercado alertavam para a perspectiva de forte volatilidade no câmbio na sexta-feira, antes do fechamento da Ptax de fim de mês. Esta é uma taxa de câmbio calculada pelo Banco Central que serve de referência para liquidação de derivativos. No fim de cada mês, agentes financeiros costumam tentar direcioná-la para níveis mais convenientes a suas posições.

O dólar à vista acumula agora alta de 8,37% contra o real em 2021.

(Edição de Isabel Versiani)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos