Mercado fechado
  • BOVESPA

    104.466,24
    +3.691,67 (+3,66%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.927,38
    +920,22 (+1,84%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,29
    +1,72 (+2,62%)
     
  • OURO

    1.769,60
    -14,70 (-0,82%)
     
  • BTC-USD

    56.980,90
    +294,63 (+0,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.450,63
    +11,74 (+0,82%)
     
  • S&P500

    4.577,10
    +64,06 (+1,42%)
     
  • DOW JONES

    34.639,79
    +617,75 (+1,82%)
     
  • FTSE

    7.129,21
    -39,47 (-0,55%)
     
  • HANG SENG

    23.788,93
    +130,01 (+0,55%)
     
  • NIKKEI

    27.753,37
    -182,25 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    16.005,75
    +136,00 (+0,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3827
    -0,0641 (-0,99%)
     

Dólar sobe 1% antes de fim de semana prolongado; dados domésticos elevam cautela

·3 min de leitura
Notas de cem dólares

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar registrou forte alta contra o real nesta sexta-feira, embora tenha ficado no vermelho no acumulado da semana, com investidores elevando a cautela após dados domésticos mais fracos do que o esperado e antes de final de semana prolongado.

O dólar spot subiu 1,00%, a 5,4569 reais na venda. Na B3, onde os negócios vão além das 17h (horário de Brasília), o dólar futuro tinha alta de 1,09%, a 5,4730 reais.

Em relação ao fechamento da última sexta-feira, o dólar à vista caiu 1,19%, em sua segunda desvalorização semanal consecutiva.

A moeda norte-americana já havia passado boa parte da manhã e início de tarde em alta antes de começar a acelerar os ganhos, por volta das 14h30. Na máxima do dia, alcançada pouco antes das 15h30, o dólar foi a 5,4690 reais, alta de 1,22%.

Vanei Nagem, responsável pela mesa de câmbio da Terra Investimentos, atribuiu parte desse movimento a uma realização de lucros, depois que o dólar despencou 1,80% na quinta-feira, e a aumento de posições defensivas devido ao feriado de Proclamação da República na segunda-feira, que manterá os mercados fechados.

Dados desta sexta-feira --que mostraram que o setor de serviços brasileiro registrou queda inesperada de 0,6% em setembro-- também estavam no radar de investidores, uma vez que levantaram temores sobre desaceleração do crescimento econômico. Na quinta-feira, uma leitura já havia mostrado perdas acima do esperado no varejo.

Depois da divulgação dos dados desta manhã, o Credit Suisse passou a projetar contração econômica de 0,5% do PIB brasileiro em 2022.

Em meio ao atual ciclo de aperto monetário do Banco Central, investidores começavam a se questionar sobre o que os números mais fracos do que o esperado representarão para a política monetária, uma vez que juros muito altos são vistos como prejudiciais à atividade econômica. "Já podemos discutir (elevação) de 100 p.b. ao invés de 150 no próximo Copom?", disse em post no Twitter Rafaela Vitoria, economista-chefe do Banco Inter.

Mas estrategistas do Citi disseram em relatório desta sexta-feira, publicado após a divulgação dos dados de serviços e varejo, que "o aumento significativo na inflação ao consumidor em outubro, junto a mais sinais de desancoragem das expectativas de inflação de longo prazo, está elevando as chances de movimento ainda mais agressivo" de aperto monetário na próxima reunião do Copom, em dezembro.

A taxa Selic está atualmente em 7,75% ao ano, após o BC ter promovido alta de 1,50 ponto percentual em seu último encontro de política monetária.

Juros mais altos no Brasil tendem a beneficiar a moeda brasileira. Alguns investidores atribuíram a desvalorização semanal do dólar à possibilidade de um BC mais duro.

Nagem, da Terra, também citou o noticiário em torno da PEC dos Precatórios como motivo para a resiliência do real nesta semana.

Investidores têm mostrado otimismo em relação ao andamento da PEC no Congresso desde terça-feira, quando foi aprovada em segundo pela Câmara dos Deputados. A proposta, que vai agora ao Senado, modifica a regra de pagamento dos precatórios e altera o prazo de correção do teto de gastos pelo IPCA, abrindo espaço para mais despesas no ano que vem.

Em meio à percepção de que o governo vai, de qualquer maneira, fornecer auxílio à população de 400 reais por família em 2022, quando o presidente Jair Bolsonaro deve tentar a reeleição, a PEC dos Precatórios passou a ser vista por muitos participantes do mercado como a alternativa de financiamento menos nociva à saúde das contas públicas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos