Mercado abrirá em 6 h 27 min
  • BOVESPA

    125.675,33
    -610,27 (-0,48%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.634,60
    +290,49 (+0,57%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,08
    -0,54 (-0,73%)
     
  • OURO

    1.830,80
    -5,00 (-0,27%)
     
  • BTC-USD

    39.811,13
    -282,62 (-0,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    946,70
    +16,34 (+1,76%)
     
  • S&P500

    4.419,15
    +18,51 (+0,42%)
     
  • DOW JONES

    35.084,53
    +153,60 (+0,44%)
     
  • FTSE

    7.078,42
    +61,79 (+0,88%)
     
  • HANG SENG

    25.810,37
    -504,95 (-1,92%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.849,00
    -188,75 (-1,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0197
    -0,0208 (-0,34%)
     

Dólar salta com sinalização dura de autoridade do Fed após cair abaixo de R$5,00

·4 minuto de leitura
Notas de dólar

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar subiu acentuadamente contra o real nesta sexta-feira, depois de chegar a ir abaixo de 5 reais mais cedo, acompanhando o fortalecimento global da divisa norte-americana na esteira de comentários "hawkish" (duro com a inflação) de uma autoridade do Federal Reserve.

O presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, disse à CNBC nesta manhã que a inflação nos Estados Unidos está mais intensa do que o esperado. Ele também afirmou que está entre as sete autoridades do banco central norte-americano que esperam que medidas mais agressivas --como um aumento de juros já no ano que vem-- contenham as pressões sobre os preços.

Após os comentários de Bullard, o dólar devolveu suas perdas iniciais contra o real e manteve um movimento de alta até o fechamento. A moeda norte-americana registrou ganho de 0,92% neste pregão, a 5,0712 reais na venda. Na B3, o dólar futuro de maior liquidez avançava 1,23%, a 5,0775 reais.

No exterior, o índice do dólar e os rendimentos norte-americanos ganharam terreno após a notícia, enquanto as ações globais recuaram. Peso chileno, peso mexicano e rand sul-africano, divisas emergentes pares do real, caíam mais de 1% nesta sexta-feira.

Com a discussão em torno de um aperto monetário mais cedo do que o esperado na maior economia do mundo, "o mercado fica naquela ansiedade: será que já vai começar uma migração dos investidores para ativos dos Estados Unidos em detrimento de ativos de países emergentes?", disse à Reuters Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos.

Na quarta-feira, o Fed já havia anunciado a antecipação de suas projeções para o primeiro aumento nos juros pós-pandemia de 2024 para 2023, abrindo também a discussão sobre quando e como pode ser apropriado começar a reduzir suas compras mensais de ativos.

Juros mais altos nos EUA tendem a favorecer a moeda norte-americana com o ingresso de recursos de investidores que buscam retornos mais altos e, ao mesmo tempo, segurança.

SELIC MAIS ALTA À FRENTE

Por outro lado, o Brasil também conta com perspectivas de elevação de juros, o que ajudou o real a tocar 4,9823 reais na mínima intradiária desta sexta-feira.

O Banco Central promoveu a terceira alta consecutiva de 0,75 ponto percentual da taxa Selic na quarta-feira, a 4,25%, e anunciou a intenção de dar sequência ao aperto monetário com uma nova alta de pelo menos a mesma magnitude em sua próxima reunião.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do BC também abandonou o uso da expressão "normalização parcial" para se referir ao atual ciclo de alta de juros, explicitando que pretende fazer um aperto maior do que vinha sendo sinalizado até então, levando a Selic para patamar considerado neutro.

Em nota, analistas da Genial Investimentos avaliaram que esses são todos sinais "positivos para a trajetória do real nos próximos meses, apesar da postura mais dura do Federal Reserve."

Um maior diferencial de juros entre o Brasil e países de economias avançadas tende a beneficiar o real, principalmente devido a estratégias de "carry trade". Elas consistem na tomada de empréstimos em moeda de país de juro baixo e compra de contratos futuros da divisa de juro maior (como o real). O investidor, assim, ganha com a diferença de taxas.

Em meio a esse cenário --que era acompanhado por alguns sinais de avanço na imunização da população brasileira contra a Covid-19--, "o real deve continuar testando patamares abaixo de 5 reais", disse Cruz, da RB Investimentos. Para ele, o que vai fornecer apoio à divisa local será o alívio de temores de restrição econômica devido à Covid-19 e sinais de maior oferta de vacinas no país.

Mas talvez leve tempo para o dólar cruzar a marca psicológica com mais força, ressaltou: "têm muitas posições em torno dos 5 reais, então é um patamar em que existe uma certa resistência".

A última vez em que o dólar fechou um pregão abaixo dos 5 reais foi em 10 de junho de 2020 (4,9398).

A moeda norte-americana teve queda de aproximadamente 0,965% contra o real no acumulado da semana. Até agora em 2021, o dólar recua cerca de 2,3% em relação à divisa local.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos