Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.816,90
    -18,90 (-1,03%)
     
  • BTC-USD

    41.706,59
    -136,43 (-0,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Dólar fecha acima de R$ 5 pela primeira vez em 10 dias

·1 minuto de leitura

Em dia de tensões no mercado financeiro, o dólar voltou a subir e fechou acima de R$ 5 pela primeira vez em 10 dias. A bolsa de valores chegou a abrir em alta, mas reverteu o movimento e passou a cair ainda durante a manhã.

O dólar comercial encerrou a quinta-feira (1º) vendido a R$ 5,045, com alta de R$ 0,072 (+1,45%). Na primeira hora de negociação, a moeda operou em baixa, mas passou a disparar por volta das 10h30 até fechar próxima da máxima da sessão.

A instabilidade também persistiu no mercado de ações. O índice Ibovespa, da B3, fechou o dia aos 125.666 pontos, com recuo de 0,9%. O indicador está no menor nível desde 28 de maio.

Esse foi o terceiro dia seguido de alta do dólar e de queda na bolsa. Fatores internos e externos estão interferindo no mercado. No plano externo, o dólar vem ganhando força contra as principais moedas do planeta com a expectativa em torno da divulgação do relatório que deve mostrar aceleração da criação de empregos nos Estados Unidos.

Um desempenho melhor que o esperado deve reforçar a expectativa de aumento de juros na maior economia do planeta antes do fim de 2022. Taxas mais altas em economias avançadas pressionam o dólar e a bolsa em países emergentes, como o Brasil.

No plano interno, as tensões políticas e as repercussões em torno da proposta da segunda fase de reforma tributária continuam a influenciar as negociações. Apresentado na última sexta-feira (26), o texto propõe o retorno da tributação sobre dividendos (atualmente isentos) e o fim do benefício fiscal dos juros sobre capital próprio.

* Com informações da Reuters

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos