Mercado abrirá em 29 mins
  • BOVESPA

    119.920,61
    +356,17 (+0,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.934,91
    +535,11 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,29
    -0,42 (-0,65%)
     
  • OURO

    1.820,10
    +4,40 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    56.480,93
    -1.341,76 (-2,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.468,72
    -2,69 (-0,18%)
     
  • S&P500

    4.201,62
    +34,03 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    34.548,53
    +318,19 (+0,93%)
     
  • FTSE

    7.120,16
    +43,99 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.628,75
    +31,00 (+0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Dólar fecha abaixo de R$ 5,70 com alívio no exterior

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil*
·1 minuto de leitura

Em um dia de alívio nos mercados internacionais, o dólar fechou abaixo de R$ 5,70 pela primeira vez em quase uma semana. Na terceira sessão seguida de alta, a bolsa de valores fechou acima de 120 mil pontos pela primeira vez desde fevereiro.

O dólar comercial encerrou esta quarta-feira (14) vendido a R$ 5,67, com recuo de R$ 0,047 (-0,82%). A cotação chegou a subir no início das negociações, mas começou a recuar ainda durante a manhã até fechar próxima dos níveis mínimos do dia.

No mercado de ações, o dia foi marcado pela euforia. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 120.295 pontos, com ganho de 0,84%. O indicador operou em alta durante toda a sessão e está no nível mais alto desde 17 de fevereiro. O índice acumula alta de 1,1% em 2021.

Em um dia sem avanços nas negociações para destravar o Orçamento de 2021, as notícias do exterior dominaram as negociações. Nesta quarta, o vice-presidente do Federal Reserve (Banco Central norte-americano), Richard Clarida, disse que o órgão só elevará os juros da maior economia do planeta quando a inflação média anualizada ultrapassar a meta de 2%.

A declaração afastou os temores de que as taxas podem começar a subir com a queda do desemprego nos Estados Unidos, fazendo os juros dos títulos públicos norte-americanos de dez anos, considerados os investimentos mais seguros do mundo. Juros mais baixos em economias avançadas beneficiam a entrada de recursos em países emergentes, como o Brasil.

*Com informações da Reuters