Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,82 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,44 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,17
    +0,41 (+0,49%)
     
  • OURO

    1.795,10
    -1,20 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    61.382,32
    +254,95 (+0,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,70 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,92 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,43 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.578,92
    -225,93 (-0,78%)
     
  • NASDAQ

    15.324,25
    -16,75 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5800
    -0,0008 (-0,01%)
     

Dólar fecha abaixo de R$5,50 com otimismo sobre acordo de dívida nos EUA

·2 minuto de leitura
Notas de cem dólares dos EUA

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou numa nova máxima desde abril nesta quarta-feira, mas apenas em ligeira elevação e bem abaixo dos picos de mais cedo, quando superou 5,53 reais, com o mercado cambial operando sob a batuta externa em meio a esperanças de um acordo de dívida nos EUA.

O dólar à vista teve variação positiva de 0,01%, a 5,4857 reais na venda. É o maior patamar desde 23 de abril (5,4967 reais).

A cotação virou para terreno positivo nos minutos finais dos negócios, após a partir do meio da tarde passar a operar em queda conforme os mercados globais melhoraram o sinal em conjunto por expectativas de um desejado fim para o impasse sobre o teto da dívida norte-americana, que no extremo poderia levar os EUA a um chocante calote que abalaria as estruturas do mercado financeiro.

Esse receio manteve o dólar pressionado até o meio da tarde. Foi quando o principal republicano do Senado dos Estados Unidos, Mitch McConnell, disse que seu partido apoiaria uma extensão do teto da dívida federal até dezembro. O Senado adiou uma votação sobre o tema que estava prevista para esta quarta-feira, enquanto os democratas consideravam a proposta republicana.

Na mínima da sessão, atingida perto de 16h (de Brasília), o dólar caiu 0,16%, a 5,4761 reais. Na máxima, alcançada às 13h39 (quando os mercados ainda estavam sob intenso estresse), bateu 5,5380 reais, ganho de 0,97%.

A taxa de câmbio operou sob pressão pela manhã também pela decepção com o desempenho do varejo brasileiro em agosto. O dado se soma a evidências de que a economia está perdendo tração, movimento que deve se intensificar em 2022 à medida que o Banco Central é forçado a subir os juros para debelar a inflação que em 12 meses supera 10%.

Os ruídos domésticos associados a um ambiente internacional menos amigável vão adicionar pressão de alta ao dólar no Brasil, avaliaram profissionais do Citi, que elevaram de 5,33 reais para 5,47 reais a estimativa para a moeda ao fim deste ano. Para 2022, o número foi aumentado a 5,49 reais, de 5,40 reais.

"Embora não vislumbremos espaço para melhora no médio prazo das incertezas fiscais e políticas (no Brasil), a normalização da política monetária nos EUA é o principal evento pela frente que pode levar a um cenário externo menos favorável para as moedas emergentes em geral, por meio do fortalecimento do dólar", disseram em nota.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos