Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,24
    +1,01 (+1,40%)
     
  • OURO

    1.742,80
    -36,00 (-2,02%)
     
  • BTC-USD

    44.715,14
    +1.187,53 (+2,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.119,18
    +10,26 (+0,92%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.510,98
    +289,44 (+1,19%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.296,00
    +132,50 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2253
    +0,0165 (+0,27%)
     

Dólar deixa mínimas e supera R$5,20 com dúvidas sobre alívio político e dados de inflação dos EUA

·2 minuto de leitura
Dólar estende perdas após respiro na política local; exterior foca relações EUA-China e inflação

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) -O dólar devolveu boa parte das perdas registradas mais cedo contra o real, com alguns investidores levantando dúvidas sobre a confiança dos mercados na mudança de postura do presidente Jair Bolsonaro, enquanto um salto na inflação ao produtor dos Estados Unidos ficava no radar internacional.

Às 12:27, o dólar recuava 0,16%, a 5,2195 reais na venda. Na máxima do dia, alcançada pouco depois das 11h30, o dólar foi a 5,2400 reais na venda, alta de 0,24%.

A moeda havia passado boa parte da manhã em queda, chegando a tocar 5,1686 reais (-1,13%) na mínima do dia, pouco depois da abertura dos mercados.

Segundo Luciano Rostagno, estrategista-chefe do banco Mizuho, a devolução das perdas do dólar pode refletir dúvidas do mercado sobre a durabilidade de discurso mais comedido do presidente Jair Bolsonaro.

Na quinta-feira, o chefe do Executivo disse em nota que nunca teve intenção de agredir quaisquer dos Poderes, amenizando o tom depois de atacar os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso durante manifestações do feriado de 7 de Setembro.

"O mercado pode estar procurando adotar postura de cautela caso Bolsonaro volte a adotar retórica mais dura", explicou Rostagno. "Hoje também é sexta-feira, e o mercado busca não ficar muito posicionado antes do fim de semana."

Mauro Morelli, estrategista-chefe da Davos Investimentos, disse que, mesmo após alívio no tom de Bolsonaro na véspera, a "volatilidade veio para ficar", com expectativa de que o dólar experimente oscilações fortes à medida que as eleições de 2022 se aproximam, ainda que o forte ciclo de elevação de juros pelo Banco Central tenda a oferecer suporte ao real.

Enquanto isso, no exterior, dados desta sexta-feira mostraram que os preços ao produtor nos Estados Unidos aumentaram com força em agosto, indicando que a inflação elevada deve continuar por um tempo.

O índice do dólar reduziu suas perdas na esteira dos dados e caía a uma tímida taxa de 0,04% por volta das 12h15.

A moeda norte-americana caminhava para encerrar a semana em alta de cerca de 0,7% contra o real, depois de fechar a última sexta-feira em 5,1839 reais.

(Edição de José de Castro)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos