Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.153,56
    -2.276,98 (-2,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.580,71
    +16,44 (+0,03%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,42
    -2,45 (-3,11%)
     
  • OURO

    1.943,90
    -1,40 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    23.216,13
    +55,14 (+0,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    527,77
    +285,09 (+117,47%)
     
  • S&P500

    4.108,72
    +32,12 (+0,79%)
     
  • DOW JONES

    34.097,92
    +11,88 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    -10,59 (-0,14%)
     
  • HANG SENG

    22.072,18
    +229,85 (+1,05%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.182,50
    +30,50 (+0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5434
    +0,0278 (+0,50%)
     

Dólar tem nova queda com fluxo estrangeiro em dia de feriado em SP

Dólar

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar caía ante o real nesta quarta-feira, estendendo perdas das últimas duas sessões, novamente influenciado pela entrada de recursos estrangeiros no Brasil, segundo agentes financeiros.

O dia é de feriado em São Paulo, o que pode reduzir a liquidez, ainda que a B3 funcione normalmente. Parte dos mercados asiáticos, incluindo o chinês, segue fechado devido ao Ano Novo Lunar.

Às 10:23 (de Brasília), o dólar à vista recuava 0,40%, a 5,1220 reais na venda.

Na B3, às 10:23 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 0,44%, a 5,1275 reais.

"O real tem um descolamento frente a um sentimento externo", disse à Reuters o gerente da mesa de câmbio da Commcor, Cleber Alessie. "Realmente parece que está havendo fluxo para cá esses dias", acrescentou.

Agentes financeiros vêm mencionando nas últimas semanas a entrada de recursos estrangeiros no Brasil, atribuindo o movimento especialmente à expectativa que o final de ciclo de alta dos juros nos Estados Unidos esteja próximo. O Federal Reserve se reúne semana que vem e a aposta majoritária no mercado é de nova redução no ritmo de aperto monetário pelo banco central norte-americano.

Com a perspectiva de juros não tão altos nos EUA -- atualmente entre 4,25% e 4,50%-- o real se torna mais atrativo, à medida que a Selic está em 13,75% ao ano no Brasil.

Além disso, operadores também citam a reabertura da China, a alta de commodities e certo otimismo com a cena doméstica como fatores que podem estar contribuindo para o fluxo de recursos ao país.

O dólar acumulava recuo ao redor de 1,66% sobre o real nesta semana, recuperando parte do terreno perdido semana passada, quando avançou 1,98%.

No exterior, o dólar negociava próximo da estabilidade ante uma cesta de moedas fortes e também frente a alguns dos principais pares do real, como o peso mexicano, o rand sul-africano e moedas da América do Sul, incluindo o peso colombiano.

A agenda de indicadores e de declarações de membros do Fed está esvaziada nesta quarta-feira, com balanços corporativos em destaque em Wall Street.

Operadores monitoram ainda a visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Uruguai, onde se encontrará com o presidente do país, Luís Alberto Lacalle Pou, de acordo com sua agenda.

O governo brasileiro tentará encontrar durante a visita uma saída diplomática para preservar o Mercosul, que se vê ameaçado pela decisão do Uruguai de negociar acordos de livre comércio à revelia do bloco, em especial com a China.

Lula deve falar com a imprensa às 12h40, segundo sua agenda.

Na véspera, o dólar à vista fechou em queda de 1,09%, a 5,1428 reais na venda.

(Por André Romani)