Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,18
    -0,18 (-0,34%)
     
  • OURO

    1.820,10
    -9,80 (-0,54%)
     
  • BTC-USD

    35.933,76
    +39,11 (+0,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    700,54
    -34,60 (-4,71%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +76,96 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.332,36
    -186,82 (-0,66%)
     
  • NASDAQ

    12.773,50
    -28,75 (-0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3843
    -0,0083 (-0,13%)
     

Dólar engata 3ª alta seguida e bate máxima em quase 2 semanas puxado por exterior

José de Castro
·2 minuto de leitura
01/06/2017

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar emendou a terceira alta consecutiva e fechou no maior patamar em quase duas semanas frente ao real nesta terça-feira, alavancado pelo rali da moeda norte-americana no exterior, num dia mais negativo para ativos de risco em geral diante de preocupações com a Covid-19.

O dólar à vista subiu 0,79%, a 5,1639 reais na venda, maior patamar desde 9 de dezembro (5,1737 reais).

A série de três altas --na qual acumulou ganho de 1,69%-- não era vista desde as também três valorizações seguidas entre 10 e 12 de novembro.

No exterior, o índice do dólar saltava 0,6%, com a moeda em alta frente a 26 de seus 33 principais pares.

"Você só pode ler parte da reação do preço, mas uma coisa é óbvia: o dólar norte-americano ganhou um impulso", disse o DailyForex em nota. "Isso não tem nada a ver com o real, porque o dólar está ganhando contra quase tudo" completou a casa, citando que o movimento global é puxado pelo tombo da libra, em meio às incertezas sobre a variante do coronavírus.

"A libra esterlina sofria drásticas vendas, mas isso tem um certo 'efeito cascata' em vários pares", disseram.

A libra caía 0,9% nesta sessão, pior desempenho entre as moedas do G4, que inclui ainda dólar, euro e iene.

Pares emergentes do real, como peso mexicano (-1,1%), peso colombiano (-1%) e rand sul-africano (-0,5%), também recuavam.

Os mercados de câmbio no mundo tinham menor volume de negócios nesta terça, já em antecipação ao Natal, e isso se estendeu às operações domésticas. Pouco mais de 191 mil contratos haviam sido negociados no mercado de dólar futuro nesta sessão, 30% abaixo da média dos 30 pregões anteriores.

A queda no giro deixa os negócios mais vulneráveis a oscilações bruscas, aumentando chances de maior volatilidade.

A volatilidade implícita nas opções de dólar/real de três meses estava em 17,85%, a segunda maior entre as principais moedas emergentes e um pouco abaixo da medida para a lira turca (18,53%).