Mercado abrirá em 1 h 31 min
  • BOVESPA

    108.095,53
    +537,86 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.056,27
    +137,99 (+0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,02
    -0,34 (-0,47%)
     
  • OURO

    1.782,00
    -3,50 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    49.164,84
    -1.118,26 (-2,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.283,73
    -21,39 (-1,64%)
     
  • S&P500

    4.701,21
    +14,46 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.754,75
    +35,32 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.321,10
    -15,95 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    24.254,86
    +257,99 (+1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.725,47
    -135,15 (-0,47%)
     
  • NASDAQ

    16.328,25
    -64,00 (-0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2698
    -0,0043 (-0,07%)
     

Dólar e ouro em alta

·2 min de leitura

Agora já existe a possibilidade de alterações na PEC e inclusive a possibilidade de “fatiar” a mesma. Outro ponto que chama atenção é a possibilidade de aumentar a remuneração dos servidores públicos.

Com esse cenário, fica cada vez mais evidente a necessidade do PIB vir alto ainda em 2021. Com as despesas aumentando sem aumento nos impostos, a única coisa que pode ajudar a compensar o gasto é a arrecadação.

Vale destacar que a arrecadação pública vem subindo em 2021, porém, não a ponto de compensar as despesas.

Juros maiores podem frear a alta do dólar?

Podem sim, a alta do juro, principalmente no momento onde a Selic estiver acima da inflação, vai atrair o investidor estrangeiro.

Com os recursos de fora, o Real vai se valorizar e equilibrar um pouco o câmbio defasado. Mesmo com a alta do juro, o dólar pode continuar subindo? Pode também.

A economia não é algo exato e mexe com alguns outros temas, como o risco. O Brasil no momento vem se tornando um ambiente cada vez mais arriscado, principalmente quando comparado com outras opções no exterior.

Observando o risco, os investidores vêm “pedindo” juros maiores para compensar eventual volatilidade.

Outro ponto que precisa ser colocado na mesa é o juro nos Estados Unidos e nos demais países desenvolvidos. Na Europa a inflação anual subiu e alcançou os 4,1%. A meta do Banco Central europeu é de 2% ao ano, ou seja, a inflação por lá já está no dobro da meta.

Tudo isso vem influenciando em outros ativos, como o próprio ouro.

Ouro sobe mais uma vez

O ouro negociado na B3 (OZ1D) terminou o dia cotado em R$ 327,50, registrando alta de 0,43%.

Já o dólar terminou o dia cotado em R$ 5,56, alta do USD/BRL de 0,51%. O que não conseguiu performar novamente foi o Ibovespa.

O principal índice da bolsa brasileira caiu 0,51%, ficando cada vez mais próximo dos 100 mil pontos.

Com o medo crescente da alta da inflação no mundo, o ouro vem ganhando destaque e vem se valorizando.

Por aqui, a volatilidade ainda é um dos principais influenciadores. O mercado está com receio, sendo que alternativas na renda variável, agora, são poucas.

Observando a possibilidade de ver a Selic subindo, no mínimo, mais 1,5% em dezembro, os produtos de renda fixa são as melhores opções de investimento.

Dentre as opções existentes, há produtos de bancos menores pagando taxas generosas e com vencimentos curtos. Os grandes bancos conseguem proporcionar um pouco mais de segurança, devido a solidez dos seus negócios, porém as taxas não são tão atraentes.

This article was originally posted on FX Empire

More From FXEMPIRE:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos