Mercado fechará em 1 h 23 min
  • BOVESPA

    111.762,41
    +2.980,26 (+2,74%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.250,91
    -830,42 (-1,63%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,23
    +0,99 (+1,28%)
     
  • OURO

    1.764,10
    +8,80 (+0,50%)
     
  • BTC-USD

    16.385,33
    +126,41 (+0,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,83
    -1,90 (-0,49%)
     
  • S&P500

    3.952,02
    -11,92 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    33.777,37
    -72,09 (-0,21%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    28.027,84
    -134,99 (-0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.524,25
    -92,00 (-0,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4718
    -0,0774 (-1,39%)
     

Dólar e bolsa ficam estáveis na última sessão antes do segundo turno

Logo Agência Brasil
Logo Agência Brasil

No último pregão antes do segundo turno das eleições presidenciais, o dólar e a bolsa fecharam praticamente estáveis. Mesmo assim, na semana, o dólar acumulou alta de quase 3% e a bolsa, queda em torno de 4,5%.

O dólar comercial encerrou esta sexta-feira (28) vendido a R$ 5,30, com queda de apenas 0,12%. A cotação oscilou bastante, chegando a R$ 5,36 por volta das 13h. No entanto, o alívio no cenário externo reequilibrou o câmbio, fazendo a moeda desacelerar ao longo da tarde.

Notícias relacionadas:

Apesar da queda de hoje, o dólar fechou a semana com alta de 2,97%. A divisa, porém, acumula recuo de 1,76% em outubro e cai 4,95% em 2022.

No mercado de ações, o dia também foi marcado pela volatilidade. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 114.539 pontos, com leve queda de 0,09%. Pouco depois das 11h, o indicador chegou a cair 1,11%, mas reagiu ao longo do dia até fechar estável. A bolsa brasileira caiu 4,45% na semana, após avançar 7,01% na semana passada.

Dois fatores contribuíram para a instabilidade no mercado financeiro nesta sexta. O primeiro foi a proximidade do segundo turno das eleições. Tradicionalmente, a semana eleitoral é marcada pela volatilidade dos ativos. O segundo foi o fechamento da taxa Ptax, taxa média de câmbio que corrige a dívida externa. A definição da Ptax no fim de cada mês costuma provocar um vaivém na cotação do dólar.

A situação no mercado foi amenizada pelo cenário internacional. A divulgação de que o preço dos imóveis nos Estados Unidos teve forte queda nesta semana aumentou as expectativas de que o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) alivie o ritmo de elevação dos juros a partir de dezembro.

Os investidores esperam uma alta de 0,75 ponto na reunião do Fed na próxima semana e uma subida de 0,5 ponto em dezembro. A melhoria das estimativas provocou a recuperação das bolsas norte-americanas, aliviando a pressão sobre a bolsa brasileira. O Dow Jones, das empresas industriais, subiu 2,59%. O Nasdaq, das empresas de tecnologia, avançou 2,87%. O S&P 500, das maiores empresas, ganhou 2,46%.

* Com informações da Reuters