Mercado abrirá em 34 mins
  • BOVESPA

    108.782,15
    -194,55 (-0,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.081,33
    -587,31 (-1,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,25
    +2,01 (+2,60%)
     
  • OURO

    1.768,90
    +13,60 (+0,77%)
     
  • BTC-USD

    16.519,80
    +300,68 (+1,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    390,42
    +10,13 (+2,66%)
     
  • S&P500

    3.963,94
    -62,18 (-1,54%)
     
  • DOW JONES

    33.849,46
    -497,57 (-1,45%)
     
  • FTSE

    7.515,70
    +41,68 (+0,56%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    28.027,84
    -134,99 (-0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.665,50
    +49,25 (+0,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5629
    +0,0137 (+0,25%)
     

Dólar dispara nesta quinta (10) e mercado aguarda dados

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 24.01.2019 - Still de mãos segurando cédulas de dólar. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 24.01.2019 - Still de mãos segurando cédulas de dólar. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar disparava frente ao real nos primeiros negócios desta quinta-feira (10), refletindo a manutenção de temores domésticos sobre a agenda fiscal do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT), enquanto investidores digeriam os dados do IPCA de outubro e reforçavam a cautela antes da divulgação de uma importante leitura de inflação nos Estados Unidos.

Às 9h10 (de Brasília), o dólar à vista avançava 1,91%, a R$ 5,2834 na venda.

Na B3, às 9h10 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 1,81%, a R$ 5,3000.

Nesta quarta-feira (9), a frustração de investidores internacionais com o desempenho abaixo do esperado do Partido Republicano nas eleições de meio de mandato provocou alta global do dólar e tirou força dos mercados de ações, incluindo o brasileiro.

No câmbio doméstico, o dólar comercial à vista fechou em alta de 0,66%, cotado a R$ 5,1840.

Na Bolsa de Valores brasileira, o Ibovespa recuou 2,22%, aos 113.580 pontos. O tombo de quase 18% das ações do Bradesco, após um resultado trimestral que desapontou investidores, também contribuiu para o desempenho negativo do índice.

O banco sofreu a sua maior queda diária na Bolsa em mais de duas décadas e perdeu quase R$ 31 bilhões em valor de mercado nesta sessão.

Nos Estados Unidos, o sentimento de aversão ao risco interrompeu uma sequência de três altas da Bolsa de Nova York e gerou maior procura por investimentos de renda fixa ligados ao Tesouro, o que consequentemente tornou o dólar mais caro no resto do mundo. O índice que compara a moeda americana a outras divisas subiu mais de 0,70%.

Parâmetro para o mercado acionário dos EUA, o indicador S&P 500 perdeu 2,08% nesta sessão. As ações da Walt Disney mergulharam 13%, o maior tombo desde setembro de 2001, devido ao balanço trimestral que desagradou investidores. Na contramão, as ações da Meta subiram 5,18% após a empresa dona do Facebook ter anunciado a demissão de mais de 11 mil trabalhadores.

Apesar dos impactos dos resultados empresariais nos mercados do Brasil e dos EUA, analistas apontaram a eleição americana como o evento com maior influência sobre os negócios nesta quarta.

Investidores locais também seguem acompanhando especulações sobre quem será o ministro da área econômica do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Nesta terça-feira (8), a equipe de transição do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) divulgou que contará com os economistas Persio Arida e André Lara Resende. Financistas cobravam da nova gestão nomes técnicos e mais alinhados ao mercado.

Além de Arida e Resende, também farão parte da transição o economista Guilherme Mello, professor da Unicamp e ligado ao PT, e Nelson Barbosa, que foi ministro da Fazenda e do Planejamento no governo de Dilma Rousseff.

Com isso, há uma divisão da área entre dois economistas com histórico liberal (Arida e Resende) e dois representantes diretos do partido (Barbosa e Mello), que defendem a flexibilização do teto de gastos para atender demandas sociais.

A perspectiva de inclusão do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega na transição, conforme adiantou o vice-presidente eleito Geraldo Alckmin (PSB), também gerou reclamações entre participantes do mercado.

Alguns disseram, porém, que a desconfiança pode ser amenizada caso o novo governo apresente um "waiver", que nesse contexto significa licença para gastar acima do teto de gastos, de R$ 170 bilhões, abaixo dos R$ 200 bilhões inicialmente estimados.