Mercado abrirá em 3 h 6 min
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,00
    +0,62 (+0,98%)
     
  • OURO

    1.764,50
    -6,10 (-0,34%)
     
  • BTC-USD

    54.936,68
    -2.074,50 (-3,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.237,32
    -61,64 (-4,75%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    6.942,76
    -57,32 (-0,82%)
     
  • HANG SENG

    29.135,73
    +29,58 (+0,10%)
     
  • NIKKEI

    29.100,38
    -584,99 (-1,97%)
     
  • NASDAQ

    13.860,50
    -36,75 (-0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6937
    +0,0180 (+0,27%)
     

Dólar deve ter alívio adicional com BC "hawkish" na próxima semana, diz Rio Bravo

José de Castro
·1 minuto de leitura
Notas de dólar e real

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O Banco Central deve divulgar na próxima quarta-feira um comunicado de política monetária mais "hawkish" --ou seja, mais duro com a inflação--, e isso deve ajudar a trazer alívio adicional à taxa de câmbio, depois de nesta semana o dólar ter flertado com 5,90 reais, disse João Leal, economista da Rio Bravo.

Para Leal, um aumento de 0,50 ponto percentual na taxa Selic --atualmente na mínima histórica de 2%-- está embutido no dólar, que nesta quinta-feira operava em torno de 5,54 reais, queda de 2% no dia.

"Mas um comunicado mais 'hawkish' não parece estar nos preços. E o BC deve mostrar um balanço de riscos pendendo para mais altas (do juro) nas próximas reuniões. Isso deve fazer o câmbio apreciar um pouco", afirmou.

O economista destacou a expressão "um pouco" porque, segundo ele, o risco fiscal ainda deve manter o dólar bem acima de 5 reais. A Rio Bravo projeta a moeda em 5,20 reais no fim do ano, com viés de alta. Já a Selic deverá fechar 2021 em 4,5%, também com inclinação para cima.

"Ainda permanecem no radar os episódios recentes de grande interferência do Executivo na tentativa de desidratar a PEC Emergencial. Adicione a isso interferência na Petrobras, falas sobre o setor de energia e a redução das expectativas relacionadas às reformas administrativa e tributária. Somos céticos em relação a ambas", disse Leal.

"O câmbio vai apreciar até o fim do ano, mas muito por causa da melhora no diferencial de juros. O prêmio de risco fiscal seguirá no radar."