Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.829,59
    -1.982,63 (-4,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Dólar desce a R$5,14 com ampla fraqueza da moeda no exterior antes de "payroll"

Cédulas de cem dólares dos EUA

SÃO PAULO (Reuters) - As vendas que apareceram no meio da manhã derrubaram o dólar nesta quinta-feira para cerca de 5,14 reais na mínima do dia, com as operações domésticas captando a trajetória de queda da moeda no exterior conforme investidores se preparam para um relatório de empregos nos EUA eventualmente mais fraco.

As atenções estão voltadas para esse documento desde o começo da semana, uma vez que os números podem mexer consideravelmente com expectativas do mercado sobre o momento em que o banco central dos EUA pode começar a cortar estímulos monetários. O "payroll" será divulgado na sexta-feira.

Esses estímulos, via compras mensais de 120 bilhões de dólares em títulos pelo Fed, na prática são sobra de liquidez que tem favorecido mercados de risco (como os emergentes) desde o ano passado, quando começou a pandemia de Covid-19. Uma redução das compras representaria menor liquidez disponível, efetivamente deprimindo novas ofertas de dólar e, assim, potencialmente elevando o preço da moeda.

Mas a expectativa é que o Fed ainda demore para anunciar o chamado "tapering", o que tem garantido nos últimos dias o clima favorável a ativos de risco, como o real e seus pares emergentes, em detrimento do dólar.

Às 12h49, a moeda norte-americana caía 0,44%, a 5,1607 reais, após descer a 5,1429 reais (-0,77%) na mínima.

Lá fora, o índice do dólar frente a uma cesta de moedas de países ricos recuava 0,23%, para os menores níveis em um mês. Divisas com alguma correlação com as matérias-primas lideravam os ganhos nesta quinta-feira, com destaque para as moedas da Nova Zelândia e da Colômbia (com altas de 0,5% cada) --que exportam produtos para a China.

O Brasil também tem na China importante comprador de suas exportações, compostas em boa parte de matérias-primas, cujo índice voltou a subir nas últimas sessões e já está a cerca de 1,5% das máximas desde julho de 2015, alcançadas em torno de um mês atrás.

"Nossas previsões relativamente 'dovish' (que contemplam estímulos monetários) para o Fed, combinadas com o elevado 'valuation' (uma medida de avaliação de preço) do dólar e uma economia global em recuperação, sustentam nossa visão estruturalmente pessimista acerca da moeda", disse o Goldman Sachs em nota.

"Com a última onda de surtos da Covid possivelmente atingindo o pico, o dólar pode começar a se enfraquecer novamente contra pares cíclicos, mesmo que leve mais tempo para os mercados colocarem nos preços aumentos iniciais das taxas de juros do Fed."

(Por José de Castro)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos