Mercado fechado

Dólar tem alta após quedas recentes; mercado discute fundamento de otimismo recente

Por José de Castro
Casa de câmbio em São Paulo (SP)

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar ajustou para cima nesta quinta-feira, depois de dias de fortes quedas, com as operações locais seguindo uma correção também entre moedas emergentes e nos mercados de ações após rali recente.

O dólar interbancário subiu 0,89%, a 5,1315 reais na venda. Ao longo da sessão, oscilou entre alta de 1,10% (para 5,1424 reais) e queda de 1,20% (a 5,0254 reais).

Na B3, o dólar futuro ganhava 1,33%, a 5,1390 reais, às 17h05.

A alta veio depois de sucessivas quedas. Apenas nos três primeiros pregões de junho o dólar à vista cedeu 4,76%. No intervalo de 11 sessões até a véspera, a divisa caiu 11,71%.

Nesta quinta moedas emergentes pares do real, como peso mexicano, rublo russo e sol peruano --entre as que mais se valorizaram recentemente--, também recuavam.

A queda recente do dólar foi atribuída a desmonte de posições excessivamente vendidas em real na esteira da melhora do ambiente externo com farta liquidez e de percepção de maior atenção do Banco Central ao câmbio.

O dólar caiu em todo o mundo no período, mas a magnitude do movimento tem alimentado debates sobre os fundamentos do otimismo que catapultou mercados de risco a máximas desde março.

"Economias estão reabrindo, os números do vírus não estão explodindo, a União Europeia parece estar elaborando um plano para evitar o pior. Mas existem riscos ocultos em segundo plano, inclusive a situação EUA-China e um cenário de Covid ainda frágil nos mercados emergentes (e nos EUA)", disseram analistas do Bank of America, ao analisarem aparente desconexão entre a queda do dólar e rali de moedas de risco e os indicadores econômicos.

"É difícil impedir a narrativa predominante, mas, ao mesmo tempo, é importante não ser complacente, à medida que crescem as desconexões entre a ação dos preços e os fundamentos", acrescentaram.

No caso brasileiro, a crise do coronavírus é vista como um dos fatores de maior risco ao país no momento, conforme o número de casos e mortes pela Covid-19 bate seguidos recordes diários e alguns Estados começam a reabrir economias, mas sob risco de segunda onda de contágio em meio a um sistema de saúde ainda fragilizado --o que poderia atrasar a posterior recuperação econômica.