Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    62.288,10
    +1.009,50 (+1,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Dólar contraria exterior e cai após alta da Selic

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil*
·1 minuto de leitura

Um dia após o Banco Central (BC) aumentar a taxa Selic (juros básicos da economia) pela primeira vez em quase seis anos, o dólar contrariou as tensões no mercado externo. A divisa caiu pela terceira sessão seguida. A bolsa, que ontem (17) tinha subido, caiu nesta quinta-feira (18), influenciada pelo preço internacional do petróleo e pelas preocupações com a pandemia de covid-19.

O dólar comercial encerrou o dia vendido a R$ 5,569, com recuo de R$ 0,017 (-0,3%). A cotação chegou a cair para R$ 5,48 nos primeiros minutos de negociação, mas a queda perdeu força diante das pressões externas. Mesmo assim, o real foi uma das cinco moedas que se valorizaram perante o dólar nesta quinta-feira.

A queda do dólar decorreu da elevação da Selic de 2% para 2,75% ao ano, maior que o previsto pelos analistas financeiros, que apostavam numa alta de 0,5 ponto percentual. Juros mais altos no Brasil aumentam o apetite dos investidores estrangeiros por mercados de maior risco.

No mercado de ações, o dia foi marcado pela turbulência. O índice Ibovespa, da B3, fechou o dia aos 114.835 pontos, com recuo de 1,47%. Apesar de operar próximo da estabilidade durante a tarde, o indicador despencou a partir das 15h, arrastado pela queda nas bolsas norte-americanas.

O mercado financeiro dos Estados Unidos teve um dia tenso por causa da queda na cotação internacional do petróleo. O barril do tipo Brent, referência para a maioria das empresas internacionais, caiu quase 7% hoje, em meio ao recrudescimento da pandemia de covid-19 em vários países da Europa. Como a Petrobras é o papel mais negociado no Ibovespa, o movimento foi sentido na bolsa brasileira.

* Com informações da Reuters