Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.714,55
    +2.418,37 (+2,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.833,80
    -55,86 (-0,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,55
    -0,21 (-0,25%)
     
  • OURO

    1.805,00
    -1,80 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    62.769,25
    +1.055,84 (+1,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.506,84
    +1.264,16 (+520,92%)
     
  • S&P500

    4.566,48
    +21,58 (+0,47%)
     
  • DOW JONES

    35.741,15
    +64,13 (+0,18%)
     
  • FTSE

    7.222,82
    +18,27 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    26.123,83
    -8,20 (-0,03%)
     
  • NIKKEI

    29.128,12
    +527,71 (+1,85%)
     
  • NASDAQ

    15.567,25
    +71,50 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4480
    +0,0117 (+0,18%)
     

Dólar completa 3ª semana de ganhos por cautela externa e incerteza local

·2 minuto de leitura
Nota de dólar dos EUA em frente a gráfico de ações

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou esta sexta-feira no maior patamar em um mês frente ao real, engatando a terceira semana de ganhos, conforme operadores ficaram na defensiva diante de incertezas no Brasil e do fortalecimento da divisa no exterior com a perspectiva de alta de juros nos EUA.

Os problemas com a incorporadora chinesa Evergrande também adicionaram vigor ao dólar nesta sexta, com investidores questionando se um eventual calote da empresa poderia ter desdobramentos severos na economia mundial.

O dólar à vista subiu 0,66% nesta sexta, para 5,3444 reais. É o maior valor desde o último dia 23 de agosto (5,3823 reais).

A alta desta sexta foi a terceira seguida e concluiu uma semana em que o dólar ganhou 1,08%.

Em setembro, a cotação avança 3,33%, elevando os ganhos no ano para 2,95%.

Lá fora, o índice do dólar frente a uma cesta de pares subia 0,2% na sessão, mantendo-se perto de máximas em um mês e caminhando para contabilizar a terceira semana consecutiva de ganhos. Moedas de perfil semelhante ao real sofriam firmes quedas.

Reforçando o apelo do dólar, as taxas dos títulos do Tesouro norte-americano voltaram a subir com força nesta sexta, à medida que operadores embutiam nos preços chances de alta de juros nos EUA até o fim de 2022.

Juros mais altos tenderiam a deixar o dólar mais atrativo, forçando o preço da moeda para cima. Essa narrativa ganhou força depois de, na quarta-feira, o banco central norte-americano surpreender ao mostrar previsões de elevação das taxas já no ano que vem.

O risco de virada na política monetária dos EUA é um dos motivos que fez o Citi rebaixar o status do real dentro de seu portfólio de bônus de mercados emergentes para "neutro", ante "acima da média".

Junto a isso, se nos EUA o BC parece mais "hawkish" (inclinado a aperto monetário), no Brasil o Citi avalia que o Banco Central revelou uma comunicação "marginalmente mais 'dovish'" --com menor propensão a altas mais agressivas dos juros.

As dúvidas do mercado sobre a política monetária do BC, que desarmou recentemente apostas em altas mais fortes da Selic, aumentaram nesta sexta depois de o IBGE divulgar que o IPCA-15 foi o maior para o mês de setembro desde 1994. A curva de juros inclinou, com forte alta nos vencimentos longos, mais sensíveis à percepção de risco geral, incluindo fiscal.

"A potencial flexibilização do teto de gastos até o fim do ano pode exacerbar a fraqueza do real", disseram os profissionais do Citi, que veem taxa de câmbio de 5,33 por dólar no término de 2021.

Evidência de pessimismo com a taxa de câmbio, o Société Générale mantém posição comprada em dólar frente à moeda brasileira, com meta de 5,70 reais. Incluindo o "carry" (retorno de diferencial de juros), a operação mostra lucro de 3,8% até o momento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos