Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.865,90
    -50,40 (-2,63%)
     
  • BTC-USD

    23.323,20
    -229,01 (-0,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Dólar caminha para fechar primeira semana do ano em alta

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 24.01.2019 - Still de mãos segurando cédulas de dólar. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 24.01.2019 - Still de mãos segurando cédulas de dólar. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar abriu com pouca variação frente ao real nesta sexta-feira (6), mas ficava a caminho de fechar a primeira semana de negociações sob o governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em alta, com os investidores ainda cautelosos sobre a agenda econômica e fiscal do presidente.

O foco desta sessão deve ficar numa reunião ministerial de Lula e em dados de emprego dos Estados Unidos.

Às 9h14 (horário de Brasília), o dólar à vista avançava 0,08%, a R$ 5,3572 na venda.

Na véspera, o dólar caiu e a Bolsa subiu com a expectativa de que a reunião ministerial vai resultar em um discurso mais alinhado à responsabilidade fiscal por parte do governo.

As declarações do novo secretário do Tesouro Nacional, Rogério Ceron, em entrevista à Folha, e da ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet, reforçaram essa percepção dos investidores, ao sinalizarem que vão buscar o controle da dívida pública e responsabilidade com os gastos do governo.

O dólar comercial à vista fechou em baixa de 1,85%, a R$ 5,3510 na venda. O Ibovespa terminou o dia em alta de 2,19%, aos 107.641 pontos.

Os juros também apresentaram queda nesta quinta. Os contratos com vencimento em 2024 fecharam com taxa de 13,70%, ante 13,79% do fechamento desta quarta. Nos vencimentos para 2025, a taxa recuou de 13,31% para 13,13% ao ano. E para 2027, os juros caíram de 13,31% para 13,07%.

Em entrevista à Folha de S.Paulo, o novo secretário do Tesouro Nacional afirma que as frentes de atuação incluem revisão de desonerações e de despesas. Ceron também indica a possibilidade de a nova regra fiscal dar flexibilidade a investimentos públicos, mas prever limitação maior para despesas correntes (que incluem salários e benefícios). Confira os principais trechos:

Em seu discurso de posso como ministra do Planejamento, marcado por tom político, Tebet pregou responsabilidade fiscal, combate à inflação e aos juros elevados e defendeu a aprovação da reforma tributária.

Uma amostra dessa busca por oportunidades aparece no desempenho de algumas das principais ações do Ibovespa. As ações preferenciais da Petrobras subiram 3,60%, e as ordinárias fecharam com alta de 3,24%, enquanto o petróleo do tipo Brent, que geralmente tem bastante influência sobre a ação da estatal, subiu pouco mais de 1%. Entre os bancos, destaque para as ações ordinárias do Banco do Brasil, que avançaram 4,57%.

Os indicadores de mercado no Brasil foram na contramão do que aconteceu nesta quinta no exterior. O índice DXY, que mede o desempenho do dólar em relação a outras moedas globais importantes, subiu 0,85%. E os principais índices de ações em Nova York apresentam quedas próximas de 1%.

No exterior, os mercados nos Estados Unidos devem reagiram à divulgação da criação de 235 mil novos empregos pelas empresas do país em dezembro de 2022, ante 182 mil vagas em novembro, segundo relatório da ADP Research. O levantamento é considerado uma prévia do relatório Payroll, mais ampla pesquisa sobre geração de empregos nos Estados Unidos.