Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.377,10
    +47,27 (+0,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Dólar cai a R$5,2019 com fluxo e resposta institucional forte a ataques em Brasília

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar teve forte queda frente ao real nesta terça-feira, com a moeda brasileira se beneficiando de fluxos para a bolsa local e de uma reação forte das instituições brasileiras a ataques bolsonaristas em Brasília, em movimento amparado ainda pelo clima benigno no exterior.

A moeda norte-americana à vista fechou em queda de 1,09%, a 5,2019 reais, menor patamar para encerramento desde 23 de dezembro passado (5,1655 reais).

Helder Wakabayashi, analista da Toro Investimentos, disse à Reuters que o real parece ter se beneficiado de um movimento simultâneo de fechamento da curva de juros e bom fluxo de recursos para as ações brasileiras, com o Ibovespa em alta de 1,6% nesta tarde.

Investidores também citaram a manutenção do sentimento de alívio nos mercados diante das veementes oposições de instituições democráticas brasileiras aos eventos do fim de semana na capital federal.

Depois que apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro invadiram e depredaram no domingo os prédios do Palácio do Planalto, do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Congresso Nacional, a Câmara dos Deputados e o Senado aprovaram o decreto que estabelece a intervenção federal na área de segurança pública do Distrito Federal.

Além disso, na noite de segunda-feira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, governadores e ministros do STF caminharam juntos do Palácio do Planalto até a sede do Supremo para vistoriar os estragos, num gesto para simbolizar união na defesa da democracia, enquanto as autoridades ampliaram as prisões de acusados pelos ataques.

"Teve aquele estresse, o mercado estava esperando para ver como os Três Poderes reagiriam, como a sociedade reagiria, e todos agiram corretamente. O mercado está se desfazendo do risco que foi inicialmente precificado", avaliou Wakabayashi.

A agência de classificação de risco Moody's disse nesta terça-feira que não espera que o perfil de crédito dos emissores brasileiros, inclusive o soberano, seja significativamente afetado pelos eventos recentes em Brasília, citando percepção de força institucional e estabilidade econômica.

Para além de fatores domésticos, alguns participantes do mercado apontaram o comportamento do mercado global como um suporte adicional para o real, em meio à oscilação tímida do índice do dólar contra uma cesta de pares fortes e avanço dos principais índices de Wall Street.

O chair do banco central dos Estados Unidos, o Federal Reserve (Fed), não deu grandes pistas sobre os próximos passos de política monetária da instituição em comentários feitos nesta terça-feira, mas disse que a independência do Fed da influência política é fundamental para sua capacidade de combater a inflação.

"Ele (Powell) era bastante aguardado na manhã desta terça-feira, mas não trouxe grandes novidades em termos de política econômica", disse Leonel Mattos, analista de inteligência de mercado da StoneX.

"Powell não mencionou detalhes a respeito da estratégia da trajetória para a taxa de juros nos EUA, e, com isso, favorece o ambiente de apetite por risco, por moedas de países emergentes, ações, commodities, e contribui para o fortalecimento do real."

Alguns investidores temiam que Powell pudesse oferecer em seu discurso desta terça-feira uma visão mais agressiva para o patamar final dos juros nos EUA do que o atualmente previsto pelos mercados.

O Fed elevou sua taxa básica em 4,25 pontos percentuais no ano passado, no ciclo de aperto mais agressivo em décadas, mas recentemente diminuiu a magnitude de seus ajustes na política monetária para alta de juro de 0,50 ponto percentual, contra incrementos anteriores de 0,75 ponto.