Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.615,89
    +126,83 (+0,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,80
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

Dólar cai a R$ 5,02 e Bolsa encosta nos 120 mil pontos; Vale dispara

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 06.12.2017 - Vista de cédulas de dólar. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 06.12.2017 - Vista de cédulas de dólar. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar caía acentuadamente nesta sexta-feira (4) com expectativas sobre a entrada de recursos estrangeiros no Brasil após a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e de que a China poderá relaxar medidas de combate à Covid.

Investidores também interpretavam que o relatório de empregos nos Estados Unidos mostrava que o mercado de trabalho começou a perder fôlego e que, com isso, a inflação global começará a desacelerar.

Às 11h55, o dólar comercial à vista recuava 1,79%, a R$ 5,0320 na venda. Mais cedo, chegou a recuar à casa dos R$ 5,02.

No mercado de ações do Brasil, o Ibovespa subia 2,44%, aos 119.750 pontos. Um pouco antes, o índice referência da Bolsa de Valores havia tocado a máxima do dia de 119.821.

Ações ligadas à exportação de minério de ferro, aço, proteína animal e outras mercadorias que têm a China como principal mercado disparavam. A Vale saltava 8,44%. A siderúrgica CNA avançava 9,31%. O frigorífico Minerva ganhava 5,67%.

O avanço da Bolsa só não era maior devido à queda de 0,73% das ações da Petrobras. Analistas do Goldman Sachs cortaram a recomendação dos papéis da petrolífera de "compra" para "neutro", argumentando um aumento da incerteza em torno das políticas a serem adotadas nos próximos anos, conforme relatório enviado a clientes após a publicação dos resultados do terceiro trimestre.

A Petrobras reportou na véspera lucro líquido de R$ 46,09 bilhões entre julho e setembro, alta de 48% ante o mesmo período do ano passado, com a disparada dos preços do petróleo.

Nesta quinta-feira (3), o dólar comercial à vista fechou com ligeira alta de 0,23%, cotado a R$ 5,1240, apesar da forte valorização da moeda americana no mundo após novo aumento da taxa de juros americana nesta quarta (2), quando foi feriado no Brasil.

O Ibovespa, índice parâmetro da Bolsa de Valores brasileira, sofreu uma pequena queda de 0,03%, recuando aos 116.896 pontos.

Investidores negociaram atentos à situação das rodovias brasileiras depois que o presidente Jair Bolsonaro (PL) pediu na véspera que os protestos golpistas de seus apoiadores não bloqueiem a circulação nas estradas.

Além disso, o mercado acompanhou os primeiros passos da equipe de transição, que acertou nesta quinta a apresentação de uma PEC (proposta de emenda à Constituição) para autorizar despesas acima do teto de gastos, incluindo a continuidade do benefício mínimo de R$ 600 do Auxílio Brasil.

No mercado americano de ações, os principais indicadores aprofundaram as quedas. O S&P 500, parâmetro da Bolsa de Nova York, fechou em baixa de 1,06%.

Na quarta-feira (2), o Fed (Federal Reserve, o banco central americano) elevou a sua taxa de juros pela sexta vez em 2022, sendo que este é o quarto aumento seguido de 0,75 ponto percentual. Agora, a taxa de juros dos Estados Unidos avança para um patamar entre 3,75% e 4% ao ano.

O ritmo de aceleração dos juros é o mais rápido no país em mais de quatro décadas e, além disso, antes de junho deste ano, a última vez que a taxa tinha subido em 0,75 ponto foi em 1994.

Essa sequência de aumentos, considerada muito agressiva para o padrão americano, acontece devido à necessidade de frear a maior inflação no país em mais de 40 anos.

O índice de preços ao consumidor americano acumula alta de 8,2% em 12 meses até setembro, depois de ter subido 8,3% em agosto e ter atingido um pico de 9,1% em junho, que foi o maior avanço do custo de vida desde novembro de 1981. São patamares muito superiores à meta de 2% para a inflação anual do país para 2022.