Mercado fechará em 1 h 7 min
  • BOVESPA

    119.313,65
    -250,79 (-0,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.850,65
    +450,85 (+0,93%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,73
    -0,90 (-1,37%)
     
  • OURO

    1.814,70
    +30,40 (+1,70%)
     
  • BTC-USD

    55.942,88
    -1.321,08 (-2,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.450,30
    -21,11 (-1,43%)
     
  • S&P500

    4.174,42
    +6,83 (+0,16%)
     
  • DOW JONES

    34.360,34
    +130,00 (+0,38%)
     
  • FTSE

    7.076,17
    +36,87 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.637,46
    +219,46 (+0,77%)
     
  • NIKKEI

    29.331,37
    +518,77 (+1,80%)
     
  • NASDAQ

    13.470,00
    -21,00 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3697
    -0,0572 (-0,89%)
     

Dólar cai pelo terceiro dia seguido e aproxima-se de R$ 5,60

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil*
·1 minuto de leitura

Embalado pelo mercado internacional, o dólar caiu pelo terceiro dia seguido e aproximou-se de R$ 5,60, zerando a alta em abril. A bolsa de valores iniciou o dia em forte alta, mas fechou praticamente estável em meio à realização de lucros.

O dólar comercial encerrou a quinta-feira (15) vendido a R$ 5,628, com recuo de R$ 0,042 (-0,75%). A cotação operou em queda durante toda a sessão. Na mínima do dia, por volta das 10h, a moeda norte-americana chegou a R$ 5,60.

Com o desempenho de hoje, o dólar passou a acumular queda de apenas 0,01% em abril. A divisa, no entanto, registra alta de 8,47% em 2021.

O dia também foi marcado pela euforia no mercado de ações. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 120.701 pontos, com alta de 0,34%.De manhã, o indicador chegou a superar os 121,3 mil pontos, mas perdeu força ao longo do dia com investidores que passaram a vender ações para embolsarem ganhos recentes.

Em mais um dia sem avanços nas negociações sobre os vetos parciais ao Orçamento de 2021, as notícias internacionais dominaram o mercado. As bolsas norte-americanas voltaram a bater recordes, e o rendimento dos títulos de dez anos do Tesouro dos Estados Unidos, considerados os investimentos mais seguros do mundo, voltaram a cair.

Juros mais baixos nos papéis públicos dos Estados Unidos estimulam a entrada de capitais em mercados de maior risco. Isso beneficia países emergentes, como o Brasil.

*Com informações da Reuters