Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.960,21
    +431,24 (+0,89%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,08
    -1,59 (-2,54%)
     
  • OURO

    1.794,90
    +16,50 (+0,93%)
     
  • BTC-USD

    55.078,21
    -1.286,91 (-2,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.270,32
    +7,36 (+0,58%)
     
  • S&P500

    4.173,42
    +38,48 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    34.137,31
    +316,01 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.895,29
    +35,42 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.902,25
    +108,00 (+0,78%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7022
    -0,0003 (-0,00%)
     

Dólar cai para R$ 5,57 e fecha no menor valor em duas semanas

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil
·1 minuto de leitura

Num dia de otimismo no mercado financeiro, o dólar voltou a fechar abaixo de R$ 5,60 e atingiu o menor valor em mais de duas semanas. A bolsa de valores emendou a segunda alta consecutiva e encerrou acima dos 118 mil pontos pela primeira vez desde meados de fevereiro.

O dólar comercial fechou esta quinta-feira (8) vendido a R$ 5,574, com recuo de R$ 0,069 (-1,23%). Na mínima do dia, por volta das 14h30, a cotação alcançou R$ 5,54. O real teve hoje o melhor desempenho entre as principais moedas globais. A cotação está no menor nível desde 23 de março, quando tinha fechado a R$ 5,516.

O clima favorável também se refletiu no mercado de ações. O índice Ibovespa, da B3, encerrou o dia aos 118.323 pontos, com alta de 0,59%. Pela manhã, o indicador operava em baixa, mas reverteu o movimento a partir do início da tarde. Com ganhos pelo segundo dia seguido, o índice atingiu o patamar mais alto desde 19 de fevereiro.

A sessão foi dominada pelo alívio nos mercados globais após discurso do presidente do Federal Reserve (Fed), Banco Central dos Estados Unidos, Jerome Powell. Em reunião do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial, ele disse que a autoridade monetária norte-americana está longe de reduzir o apoio à maior economia do planeta.

A declaração reduziu os juros dos títulos públicos norte-americanos, considerados os investimentos mais seguros no mundo. Taxas mais baixas nos papéis dos Estados Unidos aumentam a disposição dos investidores em aplicar em países emergentes, como o Brasil.

* Com informações da Reuters