Mercado fechará em 4 mins
  • BOVESPA

    127.960,03
    -1.299,46 (-1,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.173,85
    -405,25 (-0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,10
    -1,05 (-1,46%)
     
  • OURO

    1.776,80
    -84,60 (-4,54%)
     
  • BTC-USD

    37.748,45
    -984,63 (-2,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    937,50
    -32,37 (-3,34%)
     
  • S&P500

    4.225,34
    +1,64 (+0,04%)
     
  • DOW JONES

    33.835,79
    -197,88 (-0,58%)
     
  • FTSE

    7.153,43
    -31,52 (-0,44%)
     
  • HANG SENG

    28.558,59
    +121,75 (+0,43%)
     
  • NIKKEI

    29.018,33
    -272,68 (-0,93%)
     
  • NASDAQ

    14.192,50
    +211,25 (+1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9804
    -0,0816 (-1,35%)
     

Dólar cai para R$ 5,27, mas tem primeira alta semanal desde março

·2 minuto de leitura

Num dia de tranquilidade no mercado financeiro, o dólar voltou a cair para abaixo de R$ 5,30. Apesar do desempenho na sessão, a divisa teve a primeira alta semanal após seis semanas seguidas de queda. A bolsa de valores recuperou-se nesta sexta-feira (14), mas fechou a semana com leve baixa.

O dólar comercial fechou o dia vendido a R$ 5,271, com recuo de R$ 0,042 (-0,8%). Na mínima da sessão, por volta das 13h30, a cotação chegou a cair para R$ 5,24, mas o ritmo de queda reduziu-se durante a tarde.

Mesmo com a queda de hoje, a divisa fechou a semana com valorização de 0,81%. A moeda norte-americana acumula queda de 2,96% em maio e alta de 1,59% em 2021.

No mercado de ações, a bolsa teve o segundo dia seguido de alta. O índice Ibovespa, da B3, fechou esta sexta aos 121.872 pontos, com ganho de 0,97%. O indicador praticamente repôs as perdas da última quarta-feira (12), quando tinha registrado a maior queda diária desde o início de março. Embora tenha subido hoje, o Ibovespa fechou a semana com recuo de 0,13%.

O mercado financeiro global está atento ao ritmo de recuperação da economia dos Estados Unidos. Na quarta-feira, a divulgação de que a inflação para os consumidores norte-americanos em abril teve a maior alta para o mês em 12 anos provocou tensões em todo o mundo. No entanto, a divulgação de que as vendas no varejo não estão reagindo como o esperado diminuíram as pressões sobre o dólar.

Desde o início da pandemia de covid-19 nos Estados Unidos, o Federal Reserve (Banco Central norte-americano) mantém os juros básicos da maior economia do planeta entre 0% e 0,25% ao ano, no menor nível da história. A medida foi tomada para combater a crise econômica provocada pela doença.

A recuperação da atividade econômica norte-americana, decorrente do pacote de estímulos do governo do presidente Joe Biden e do ritmo de vacinação, aumentam as expectativas de que os juros podem subir antes de dezembro de 2022. Taxas mais altas em economias avançadas pressionam o dólar em países emergentes, como o Brasil.

*com informações da Reuters

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos