Mercado fechará em 2 h 59 min
  • BOVESPA

    108.097,91
    -304,37 (-0,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.201,77
    -153,09 (-0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,57
    -1,19 (-1,31%)
     
  • OURO

    1.812,10
    +6,90 (+0,38%)
     
  • BTC-USD

    23.092,24
    -834,57 (-3,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    536,23
    -21,12 (-3,79%)
     
  • S&P500

    4.120,31
    -19,75 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    32.811,20
    -21,34 (-0,06%)
     
  • FTSE

    7.488,15
    +5,78 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    20.003,44
    -42,33 (-0,21%)
     
  • NIKKEI

    27.999,96
    -249,28 (-0,88%)
     
  • NASDAQ

    12.971,50
    -211,75 (-1,61%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2365
    +0,0271 (+0,52%)
     

Dólar cai para R$ 5,22 após reunião do Copom

As expectativas de desaceleração na economia dos Estados Unidos e as indicações de que o Banco Central (BC) brasileiro está perto de encerrar o ciclo de alta nos juros fizeram o mercado financeiro ter um dia de tranquilidade. O dólar caiu e voltou a aproximar-se de R$ 5,2. A bolsa de valores subiu mais de 2% e atingiu o nível mais alto em quase dois meses.

O dólar comercial encerrou esta quinta-feira (4) vendido a R$ 5,22, com queda de R$ 0,058 (-1,09%). A cotação iniciou o dia em alta, mas inverteu a tendência seguindo o mercado internacional, até encerrar próxima das mínimas do dia.

Apesar da queda de hoje, o dólar ainda acumula alta de 0,89% na semana. Na última sexta-feira (29), a divisa estava sendo vendida a R$ 5,174.

O mercado de ações teve mais um dia de fortes ganhos. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 105.892 pontos, com alta de 2,04%. Impulsionada pela divulgação de lucros de empresas acima do previsto e pela aposta no fim das altas na Selic (juros básicos da economia), a bolsa brasileira fechou no maior patamar desde 9 de junho.

Após o fim da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que aumentou a Selic para 13,75% ao ano, o Banco Central emitiu um comunicado em que admite que aumentará os juros para 14% ao ano na próxima reunião, no fim de setembro, devendo encerrar o ciclo de alta nos juros básicos, que sobem desde março do ano passado. As apostas no fim da alta de juros favorecem a bolsa de valores, porque isso estimula os investidores a buscarem investimentos de maior risco, como ações.

Além do impulso interno, o mercado financeiro contou com a ajuda do exterior nesta quinta-feira. O dólar caiu em todo o planeta, com base na expectativa de divulgação de dados de emprego nos Estados Unidos amanhã (5). Caso o mercado de trabalho nos Estados Unidos desacelere, aumentam as chances de que o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) comece a reduzir os juros básicos em 2023.

*Com informações da Reuters

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos