Mercado abrirá em 3 h 28 min
  • BOVESPA

    128.427,98
    -339,48 (-0,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.170,78
    +40,90 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,30
    +0,22 (+0,30%)
     
  • OURO

    1.781,00
    -2,40 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    33.316,36
    -768,61 (-2,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    806,01
    -4,19 (-0,52%)
     
  • S&P500

    4.241,84
    -4,60 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    33.874,24
    -71,34 (-0,21%)
     
  • FTSE

    7.097,53
    +23,47 (+0,33%)
     
  • HANG SENG

    28.882,46
    +65,39 (+0,23%)
     
  • NIKKEI

    28.875,23
    +0,34 (+0,00%)
     
  • NASDAQ

    14.355,75
    +92,75 (+0,65%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9329
    +0,0044 (+0,07%)
     

Dólar cai para R$ 5,22 e renova mínima desde janeiro

·2 minuto de leitura

Influenciado pelo exterior e pela valorização das commodities, o dólar reverteu a alta do início do dia e fechou em queda, voltando a alcançar a menor cotação desde janeiro. A bolsa iniciou o dia em baixa, mas recuperou-se durante a tarde e encostou nos 123 mil pontos.

O dólar comercial encerrou esta terça-feira (11) vendido a R$ 5,223, com recuo de R$ 0,009 (-0,18%). A divisa atingiu R$ 5,28 na máxima do dia, por volta das 10h30, mas reverteu o movimento e passou a operar próxima da estabilidade a partir das 12h. Nos minutos finais de sessão, a entrada de recursos assegurou que a cotação fechasse em queda.

A divisa está no menor nível desde 14 de janeiro, quando tinha fechado em R$ 5,212. O dólar acumula queda de 3,84% em maio e alta de 0,65% em 2021.

No mercado de ações, o índice Ibovespa, da B3, fechou aos 112.964 pontos, com alta de 0,87%. Nos primeiros minutos de negociação, o indicador chegou a cair 1,4%, mas começou a recuperar-se, beneficiado pelas commodities internacionais, que impulsionaram ações de empresas do setor de mineração.

O mercado viveu um dia de expectativas em relação à divulgação de índices de preços nos Estados Unidos, prevista para sair amanhã. Apesar das projeções de aumento da inflação na maior economia do planeta, dados de que a recuperação do emprego está abaixo do esperado diminuem as pressões para que o Federal Reserve, o Banco Central norte-americano, mantenha os estímulos monetários relacionados ao combate à pandemia de covid-19.

No Brasil, a valorização das commodities (bens primários com cotação internacional) continua ajudando o câmbio. Nos últimos dias, a entrada de recursos de exportações de grãos e de minérios tem segurado movimentos de alta internacional do dólar ou contribuído para reduzir a cotação da moeda norte-americana.

*Com informações da Reuters

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos