Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    47.368,29
    -1.049,37 (-2,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Dólar cai para R$ 5,21 e fecha no menor valor em duas semanas

·2 minuto de leitura

Em mais um dia de alívio no mercado doméstico e externo, o dólar aproximou-se de R$ 5,20 caiu para o menor valor em duas semanas. A bolsa de valores teve o segundo dia consecutivo de ganhos, recuperando-se parcialmente das perdas dos últimos dias.

O dólar comercial encerrou esta quarta-feira (25) vendido a R$ 5,211, com recuo de R$ 0,051 (-0,97%). A cotação chegou a subir para R$ 5,27 durante a manhã, mas despencou a partir da tarde, até fechar próxima da mínima do dia.

Esta foi a quarta queda seguida da moeda norte-americana, que caiu para o menor nível desde o último dia 10. Com o desempenho de hoje, a divisa quase reverteu a alta em agosto e passou a acumular valorização de apenas 0,03% neste mês.

O dia também foi marcado pelo alívio no mercado de ações. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 120.818 pontos, com ganho de 0,5%. Apesar da alta de 2,34% na semana, o indicador acumula perdas em agosto, registrando queda de 0,81% no mês.

Tanto o ambiente doméstico como o externo ajudaram as negociações. No exterior, a valorização das commodities (bens primários com cotação internacional) animou os mercados. Além disso, aumentaram as expectativas de que o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) não terá espaço para aumentar os juros dos Estados Unidos tão cedo.

Na sexta-feira (27), o presidente do Fed, Jerome Powell, discursará na reunião de presidentes de Bancos Centrais, em Jackson Hole, devendo indicar que o órgão terá uma abordagem suave na retirada dos estímulos concedidos durante a pandemia de covid-19. Juros baixos em países avançados beneficiam países emergentes, como o Brasil.

No Brasil, o mercado ainda está repercutindo as declarações do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (Progressistas-AL). Ontem (24), Lira afirmou que o Congresso Nacional não está disposto a comprometer a responsabilidade fiscal e disse que qualquer solução respeitará o teto de gastos.

Paralelamente, o mercado reagiu à arrecadação recorde observada em julho, alinhada à recuperação da economia brasileira em 2021. A prévia da inflação oficial em agosto, que bateu o recorde para o mês desde 2002, aumentou a expectativa de que o Banco Central pode aumentar o aperto monetário no fim de setembro, o que estimularia a entrada de dólares no país.

*Com informações da Reuters

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos