Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    45.292,20
    -1.415,42 (-3,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Dólar cai para R$ 5,3540 com vitória de Lira e Pacheco no Congresso; Bolsa sobe 0,6%

·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* São Paulo, SP, Brasil, 24-01-20109 - Cédulas de dólar. Papel Moeda. Dinheiro. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
*ARQUIVO* São Paulo, SP, Brasil, 24-01-20109 - Cédulas de dólar. Papel Moeda. Dinheiro. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar recuou 1,72%, a R$ 5,3540, nesta terça-feira (2), após a vitória dos candidatos apoiados por Jair Bolsonaro (sem partido) nas presidências do Congresso.

A expectativa do mercado é de retomada das reformas, após Arthur Lira (PP-AL) ser eleito com larga vantagem em primeiro turno para liderar a Câmara. No Senado, o escolhido foi Rodrigo Pacheco (DEM-MG), que prometeu esforço para conduzir pautas de interesse do Poder Executivo.

"No geral, os votos esmagadores de ambos os candidatos em torno (ou acima) da maioria constitucional (60%) em ambas as Casas Legislativas devem fortalecer a interpretação de que as reformas estruturais têm maior probabilidade de serem aprovadas, apoiando os preços dos ativos domésticos", disse o Citi em nota.

Dentre emergentes, o real foi a moeda que mais se valorizou na sessão.

No entanto, várias análises de profissionais de mercado destacaram que, apesar de pronta para um retorno, a agenda de reformas ainda enfrentará dificuldades políticas.

"A estagnação dessa pauta (econômica) em 2020 ocorreu muito mais em função da eclosão da pandemia do coronavírus e da trepidez do próprio governo do que de uma postura antagônica dos antigos presidentes do Legislativo. Para que as reformas avancem em 2021, a mudança terá de vir do próprio Planalto", disse Conrado Magalhães, da Guide Investimentos.

Para Gustavo Arruda, economista chefe do BNP Paribas no Brasil, o Congresso está hoje menos preso à relação de troca com o governo do que o próprio Executivo. "Então vejo uma chance de a gente se decepcionar com a agenda" de reformas, disse, citando, por exemplo, risco de o Legislativo aprovar novo auxílio sem contrapartidas.

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou nesta terça que, agora, o governo está mais perto de conseguir colocar em votação reformas fiscais no Congresso.

O Ibovespa fechou em alta de 0,61%, a 118.233 pontos.

Nos EUA, o S&P 500 teve ganhos de 1,39%. Dow Jones subiu 1,57%, e Nasdaq, 1,56%.