Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.719,76
    +447,25 (+1,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Dólar cai para R$ 5,18 em dia de decisão do Copom

·2 minuto de leitura

Num dia de expectativa com a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), o dólar teve leve queda, depois de subir para R$ 5,24 no início da tarde. Depois de dois dias seguidos de alta, a bolsa caiu, influenciada por fatores internos e pela queda das commodities no mercado internacional.

O dólar comercial encerrou a quarta-feira (4) vendido a R$ 5,186, com recuo de R$ 0,007 (-0,13%). A cotação caiu para R$ 5,16 na mínima do dia, por volta das 10h30. Em seguida, subiu influenciada pela recuperação da economia norte-americana, atingindo R$ 5,24 por volta das 12h30, para voltar a operar em baixa durante a tarde.

O mercado de ações teve um dia mais pessimista. O índice Ibovespa, da B3, terminou o dia aos 121.801 pontos, com queda de 1,44%. O indicador operou em baixa durante quase toda a sessão, chegando a cair 2,02% na mínima do dia, pouco antes das 13h.

Nos Estados Unidos, a divulgação de que o setor de serviços cresceu mais que o esperado fez o dólar subir em todo o planeta. Apesar de o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) ter assegurado nas últimas semanas que não pretende retirar tão cedo os estímulos concedidos durante a pandemia de covid-19, os dados fortes aumentam a pressão de que a autoridade monetária da maior economia do planeta reverta as medidas de apoio econômico antes do fim de 2022.

No Brasil, os investidores passaram o dia no aguardo da decisão do Copom, na expectativa de que o Banco Central aumentasse os juros pela quarta vez seguida. Juros mais altos no Brasil atraem capitais externos e conseguem segurar o dólar, mesmo com a ameaça de retirada de estímulos nos Estados Unidos. As negociações em torno do parcelamento de precatórios também afetaram o mercado, com os investidores tendo receio de que a medida fure o teto federal de gastos.

* Com informações da Reuters

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos