Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.580,15
    +584,53 (+2,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Dólar cai para menor valor em dois meses com inflação fraca nos EUA

·2 min de leitura

Embalado pelos dados de inflação nos Estados Unidos, o mercado financeiro teve um dia de trégua. O dólar caiu pela segunda sessão seguida e atingiu o menor valor em quase dois meses. A bolsa de valores zerou as perdas do ano e retomou os 105 mil pontos.

O dólar comercial encerrou esta quarta-feira (12) vendido a R$ 5,535, com recuo de R$ 0,045 (-0,81%). A cotação abriu a manhã em alta, aproximando-se de R$ 5,60 nos primeiros minutos de negociação, mas passou a cair com após a divulgação da inflação de dezembro nos Estados Unidos.

Com o desempenho de hoje, a divisa acumula queda de 0,74% nos primeiros dias de 2022. Há exatamente uma semana, a moeda norte-americana tinha atingido R$ 5,71, no maior valor do ano até agora.

O mercado de ações também teve um dia de recuperação. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 105.686 pontos, com alta de 1,84%. Essa foi a segunda alta seguida do indicador, que reverteu as perdas acumuladas em 2022 e agora sobe 0,82% nos primeiros dias do ano.

Hoje, o Departamento de Trabalho dos Estados Unidos divulgou que a inflação ao consumidor ficou em 0,5% em dezembro e encerrou 2021 em 7%. Apesar de a inflação ser a mais alta desde 1982, o indicador ficou dentro das expectativas, reduzindo as pressões para o aperto monetário na maior economia do planeta.

O Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) deve começar a elevar os juros básicos em março, mas outras medidas, como a venda dos títulos comprados pelo órgão desde o início da pandemia de covid-19, poderão ficar para o segundo semestre. Taxas mais altas em economias avançadas estimulam a fuga de recursos de países emergentes, como o Brasil, o que ocasionou a disparada do dólar e a queda na bolsa até o início desta semana.

* Com informações da Reuters

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos