Mercado fechará em 2 horas 1 minuto
  • BOVESPA

    108.112,23
    -290,05 (-0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.224,61
    -130,25 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,52
    -0,24 (-0,26%)
     
  • OURO

    1.810,40
    +5,20 (+0,29%)
     
  • BTC-USD

    23.058,77
    -904,70 (-3,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,62
    -21,73 (-3,90%)
     
  • S&P500

    4.122,80
    -17,26 (-0,42%)
     
  • DOW JONES

    32.792,84
    -39,70 (-0,12%)
     
  • FTSE

    7.488,15
    +5,78 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    20.003,44
    -42,33 (-0,21%)
     
  • NIKKEI

    27.999,96
    -249,28 (-0,88%)
     
  • NASDAQ

    13.003,00
    -180,25 (-1,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2447
    +0,0353 (+0,68%)
     

Dólar cai na véspera de decisão sobre juros nos EUA

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*ARQUIVO* SÃO PAULO - SP - 05.09.2013 - Bolsa de Valores na  Rua XV de Novembro em Sao Paulo. (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO - SP - 05.09.2013 - Bolsa de Valores na Rua XV de Novembro em Sao Paulo. (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar fechou em queda nesta terça-feira (26) em um dia de valorização do real devido à força das commodities por expectativas melhores sobre a China. Isso amorteceu as pressões relacionadas à expectativa de alta dos juros nos EUA. A divisa americana caiu 0,39%, cotada a R$ 5,3510.

Apesar da valorização da moeda brasileira, a Bolsa de Valores fechou em queda, sem força para se sustentar acima dos 100 mil pontos, contaminado pelo declínio em Wall Street.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa caiu 0,50%, a 99.771 pontos.

O minério de ferro, um dos principais componentes da pauta de exportação do Brasil e que tem a China como seu principal destino, bateu uma máxima em duas semanas.

O país asiático tem produzido notícias mais alentadoras nos últimos dias no campo econômico, alimentando expectativas de aumento de demanda por produtos básicos exportados pelo Brasil.

"Cada vez mais a economia brasileira está mais sensível a qualquer alteração na economia chinesa, o que está fazendo a gente se descolar um pouco das questões relacionadas aos juros nos EUA", disse Fabrizio Velloni, economista-chefe da Frente Corretora. "O real descolou do DXY hoje", completou.

O DXY é um índice da ICE de referência para o dólar em relação a uma cesta com seis pares. Um índice da Refinitiv com metodologia similar saltava 0,77% no fim da tarde, impulsionado pela queda de 1% do euro, este afetado pelo recrudescimento das preocupações com a oferta de energia para a Europa.

Outras moedas também perdiam terreno, na véspera da decisão de juros pelo banco central americano, Federal Reserve. A expectativa é de nova alta de 0,75 ponto percentual nesta quarta-feira (27).

A alta prevista para os juros americanos irá igualar o aumento aplicado pela autoridade monetária dos EUA em junho, a maior em quase 30 anos.

Taxas de juros mais altas nos EUA aumentam a atratividade da renda fixa americana, estimulando conversão de moedas estrangeiras para o dólar, o que o valoriza.

Em Nova York, o índice de referência S&P 500 caiu 1,15%. As ações de grande valor acompanhadas pelo Dow Jones recuaram de 0,75%. O indicador da Nasdaq perdeu 1,87%.

As ações dos Estados Unidos fecharam em forte queda nesta terça-feira, depois que um alerta de lucro do Walmart derrubou os papéis do varejo e alimentou temores sobre gastos do consumidor.

As ações do Walmart afundaram depois que o varejista cortou sua previsão de lucro para o ano inteiro na segunda-feira. O Walmart culpou o aumento dos preços de alimentos e de combustíveis e disse que precisa cortar preços para reduzir estoques.

O processo de elevação de juros é justamente adotado pelas principais economias mundiais em uma tentativa de desacelerar a inflação que se espalhou pelo globo com a quebra das cadeias de suprimentos durante a pandemia.

Na semana passada, o BCE (Banco Central Europeu) elevou a taxa básica de juros na região em 0,50 ponto percentual, a primeira alta desde 2011.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos