Mercado abrirá em 5 horas 1 minuto
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,11 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,12 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,28
    +0,38 (+0,59%)
     
  • OURO

    1.835,20
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    58.475,00
    +472,89 (+0,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.557,95
    +122,17 (+8,51%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,26 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.138,99
    +9,28 (+0,13%)
     
  • HANG SENG

    28.546,57
    -64,08 (-0,22%)
     
  • NIKKEI

    29.518,34
    +160,52 (+0,55%)
     
  • NASDAQ

    13.660,25
    -49,50 (-0,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3645
    -0,0006 (-0,01%)
     

Dólar cai a mínimas em quase 3 meses e real lidera ganhos no mundo com Fed e ajuste local

José de Castro
·2 minuto de leitura
Nota de dólar em frente a gráfico com dados de ações

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em forte baixa nesta quarta-feira, descendo à casa de 5,36 reais e rompendo dois importantes suportes técnicos, com a moeda brasileira no topo dos mercados de câmbio numa sessão marcada por sinalizações sobre a política monetária nos Estados Unidos, ingressos de recursos e movimentações em torno da formação da Ptax de fim de mês.

O dólar ampliou as perdas no mundo depois que o banco central dos EUA --o Federal Reserve (Fed)-- indicou não haver pressa para reduzir estímulos em curso e adotados inicialmente no ano passado para proteger a economia dos efeitos da pandemia.

Na prática, mais dinheiro barato nos EUA significa mais liquidez que pode migrar para países como o Brasil, aumentando a oferta de dólar por aqui e, consequentemente, baixando o preço da moeda.

Em termos de fluxo, o mercado acompanha ainda expectativas de ingressos de recursos com a esperada abertura de capital da Caixa Seguridade e perspectiva de emissão bilionária de notas com metas sustentáveis pela Natura.

Dados do Banco Central mostraram nesta quarta-feira que o fluxo cambial ao Brasil está positivo em 770 milhões de dólares em abril até 23.

As vendas de dólares também estiveram relacionadas a operações em torno da formação da Ptax de fim de mês --que serve de referência para liquidação de contratos futuros e outros derivativos. Segundo operadores, há intenso movimento no mercado de puts --opções que dão ao comprador direito de vender dólar a um preço determinado.

No fechamento do mercado à vista, o dólar caiu 1,86%, a 5,3611 reais na venda.

É o menor patamar de encerramento desde 2 de fevereiro (5,3562 reais). Com a queda desta quarta, o dólar deixou para trás suas médias móveis de 100 e 200 dias, movimento que, se consolidado, pode retroalimentar novas baixas.

O real teve o melhor desempenho global nesta sessão, seguido de perto pelo sol peruano (+1,8%), que vem de fortes perdas recentes.

O dólar no Brasil cai em nove das últimas 11 sessões, período em que recuou 6,37%. Desde o pico de 9 de março (5,7927 reais), a moeda perde 7,45%.

Em abril, a cotação desvaloriza 4,78%, a caminho da maior baixa para o mês desde 2015 (-5,57%).

Dan Kawa, CIO da TAG Investimentos, chamou atenção para a movimentação mais positiva nos preços dos ativos brasileiros nesta sessão. O Ibovespa, por exemplo, subiu 1,39%, enquanto as bolsas de valores dos EUA caíram.

"Acho que é um misto de um cenário menos negativo de curto prazo --Orçamento, pandemia, vacinação, etc.-- com um grande ajuste de posições", afirmou. "Os 'patinhos feios' do mercado, como bancos na bolsa, câmbio e a curva de juros curta, são os de melhor desempenho."

Com a valorização recente do real, a moeda brasileira reduziu as perdas no ano para 3,16%. A divisa diminui a diferença em relação a seus pares, mas segue atrás.