Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    34.047,16
    -1.752,05 (-4,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.017,75
    -138,50 (-0,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

Dólar cai e volta e fechar abaixo de R$ 5,30 em dia de ajustes

·1 minuto de leitura

O dólar caiu e voltou a fechar abaixo de R$ 5,30 com a diminuição do pessimismo no mercado financeiro internacional. A bolsa de valores operou em queda durante quase todo o dia, mas reagiu nos minutos finais de negociação e fechou estável.

O dólar comercial encerrou esta quinta-feira (20) vendido a R$ 5,277, com recuo de R$ 0,039 (-0,73%). A divisa operou em baixa durante todo o dia, acelerando a queda perto do fim das negociações. A moeda norte-americana acumula queda de 2,85% em maio e alta de 1,7% em 2021.

No mercado de ações, o dia foi marcado por oscilações. O índice Ibovespa, da B3, fechou o dia aos 122.701 pontos, com alta de apenas 0,05%. O indicador caiu influenciado pelo recuo no preço das commodities (bens primários com cotação internacional), mas o otimismo nas bolsas norte-americanas conseguiu reverter a queda perto do fim da sessão.

O mercado internacional teve um dia de acomodação após a divulgação da ata da reunião do Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano). Segundo o documento, alguns integrantes anunciaram que podem começar a discutir, na próxima reunião, a retirada de estímulos econômicos concedidos durante a pandemia de covid-19.

Aumento de juros em economias avançadas pressionam o dólar em países emergentes, como o Brasil. Depois de um dia de turbulências ontem (19), parte dos investidores entenderam que um eventual reajuste dos juros básicos nos Estados Unidos seria bastante gradual e começaria apenas em 2022. Paralelamente, diversas economias emergentes, entre as quais o Brasil, também estão tendo os juros básicos elevados nos últimos meses, o que ajuda a conter os efeitos da valorização internacional do dólar.

*Com informações da Reuters

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos