Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.220,66
    -434,28 (-0,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Dólar vira e sobe com liquidez menor em meio a incerteza político-fiscal

José de Castro
·2 minuto de leitura
Dólar cai ante real na abertura monitorando exterior

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar virou e passou a subir ante o real nesta segunda-feira, seguindo pressão no mercado de juros decorrente de fluxos pontuais em meio a um mercado com liquidez mais fraca.

Às 12:36, o dólar à vista avançava 0,45%, a 5,7002 reais na venda.

Mais cedo, a moeda havia caído 0,77%, para 5,631 reais. Mas as compras ganharam força no fim da manhã e rapidamente fizeram a cotação zerar as perdas, com os preços, na sequência, passando para direção de alta. O dólar, então, bateu uma máxima de 5,7037 reais, ganho de 0,51%.

O mercado doméstico segue volátil em meio ao noticiário político. A taxa de câmbio já vem enfraquecida pela escalada do risco político-fiscal nas últimas semanas devido ao atrito sobre o Orçamento --malvisto pelo mercado-- e, agora, a CPI da Covid no Senado.

A avaliação é que esses eventos distraem ainda mais o foco da equipe econômica, do governo e do Congresso da agenda de reformas, cujo cronograma é tido como apertado à medida que no segundo semestre o tema das conversas em Brasília deve se voltar para a eleição de 2022.

Para Jason Vieira, economista-chefe da Infinity Asset, a determinação de instalação da CPI da Covid-19 e as pressões do centrão em relação ao Orçamento podem se multiplicar, o que pode trazer um problema "muito grave" ao governo.

"Um problema de ter de aprovar uma peça de Orçamento que pode trazer o impeachment do presidente Bolsonaro e colocá-lo na mão do centrão mais uma vez", disse.

No exterior, o dólar recuava 0,1% frente a uma cesta de divisas de países ricos e caía em relação à maioria das moedas emergentes.

A agenda externa é rica nesta semana de potenciais catalisadores para os mercados de câmbio, com destaque para dados de inflação nos Estados Unidos (na terça); discurso do chair do Federal Reserve, Jerome Powell (na quarta); e início da temporada de balanços corporativos trimestrais.

"Tudo na conta, parece que o mercado de câmbio está em transição. A recuperação do dólar (no exterior) está perdendo força, mas ainda é muito cedo para esperar que as demais divisas tomem uma direção", disseram estrategistas do Société Générale em nota.