Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.288,70
    -68,92 (-0,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Dólar cai ante real em sessão instável; mercado digere comentários de Powell

Nota de dólar

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar caía nesta sexta-feira em meio a negociações instáveis, conforme investidores digeriam comentários do chair do Federal Reserve, Jerome Powell, que, segundo alguns agentes do mercado financeiro, não trouxeram muitas novidades sobre a trajetória futura de política monetária do banco central norte-americano.

Às 11:59 (de Brasília), o dólar à vista recuava 0,59%, a 5,0808 reais na venda, depois de chegar a cair 0,98%, a 5,0612 reais, no menor nível do pregão, atingido durante o discurso do chefe do Fed na conferência de bancos centrais de Jackson Hole, em Wyoming.

Na B3, às 11:59 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 0,64%, a 5,0855 reais.

Powell disse em comentários preparados que os Estados Unidos precisarão de uma política monetária apertada "por algum tempo" antes que a inflação fique sob controle, fato que significa crescimento mais lento, mercado de trabalho mais fraco e "alguma dor" para famílias e empresas.

"Foi um discurso bom, foi 'hawkish', talvez, na medida correta", disse Jason Vieira, economista-chefe da Infinity Asset, destacando que os comentários de Powell não trouxeram muitas novidades em relação a falas anteriores de autoridades do Fed e vincularam a magnitude do aperto monetário a ser adotado na reunião de setembro do banco central ao teor dos próximos dados de emprego e inflação.

Arthur Mota, da equipe de macro e estratégia do BTG Pactual, disse em postagem no Twitter que o fato de Powell ter deixado o cenário "aberto" para setembro ajudou a fornecer alívio aos mercados.

O Federal Reserve já subiu seu juro básico em 2,25 pontos percentuais desde março deste ano, numa agressiva batalha contra a inflação. Custos de empréstimos mais altos nos EUA, num geral, implicam maior procura pelo dólar.

(Por Luana Maria Benedito)