Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.815,97
    +1.376,22 (+4,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Dólar cai abaixo de R$5,21 em sessão instável

·3 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar chegou ao fim da manhã em queda frente ao real, depois de trocar de sinal várias vezes e chegar a subir 0,9%, com operadores aproveitando a recuperação das bolsas de valores globais para realizar lucros após o dólar marcar na véspera a maior alta em dez meses.

O sentimento, porém, segue instável depois do mau humor da véspera por causa de uma onda global de aversão a risco por temores relacionados à Covid-19.

A fraca agenda de indicadores econômicos no Brasil e o recesso parlamentar orientam as atenções para a cena externa, onde têm predominado receios sobre impactos econômicos de novas ondas de coronavírus pelo mundo.

Às 12:46, o dólar à vista recuava 0,65%, a 5,2153 reais na venda.

A moeda começou o dia em queda, passou a subir ainda na primeira hora de negócios e bateu um pico de 5,2953 reais (+0,87%) logo depois das 10h30. Posteriormente, começou a perder força, chegou a cair por volta de 11h15 antes de voltar a ganhar terreno. No fim da manhã, porém, as vendas apareceram com força e derrubaram a cotação à mínima intradiária de 5,2077 reais (-0,79%).

O real tinha o melhor desempenho global nesta sessão, depois de na véspera ocupar a lanterna entre as principais divisas.

Em Nova York, os índices de ações subiam entre 1,3% e 1,7%, recobrando parte das perdas da véspera.

Na segunda-feira, o dólar saltou 2,59%, a 5,2494 reais na venda, maior patamar desde 8 de julho deste ano e maior valorização percentual desde 18 de setembro de 2020.

Como notou o Bradesco, os mercados mostram instabilidade conforme os mesmos temas seguem no radar dos investidores.

“As preocupações com os impactos da variante Delta no processo de reabertura econômica limitam a recuperação dos mercados”, disse o banco em relatório matinal, em que cita a força recente do dólar antes da temporada de balanços corporativos de empresas norte-americanas.

De forma geral, o dólar voltou a ganhar terreno no mundo desde junho, com investidores colocando nos preços aperto da política monetária nos Estados Unidos. No Brasil, a moeda sobe 6,5% desde que tocou uma mínima de cerca de 4,89 reais em 25 de junho.

Dan Kawa, CIO da TAG Investimentos, diz por ora não ter visão direcional para a moeda no Brasil.

“Ainda acredito que o cenário-base seja de muita volatilidade e pouca tendência”, afirmou, acrescentando que em momentos de maior otimismo prefere adicionar posições pró-dólar, como o fez no fim do mês passado.

Puxada também pelo clima político interno mais ruidoso, a volatilidade do real desde o começo do mês voltou a ser a mais alta dentre pares comparáveis. A volatilidade implícita do real –uma medida do grau de incerteza sobre os rumos da moeda– para três meses está em 16,6%, acima até mesmo da medida para a instável lira turca, que está em 14,7%.

(Por José de Castro)

This article was originally posted on FX Empire

More From FXEMPIRE:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos