Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.114,16
    -2.601,84 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.808,56
    -587,38 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,45
    -0,26 (-0,34%)
     
  • OURO

    1.631,60
    -1,80 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    19.118,48
    +311,60 (+1,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    438,96
    +5,86 (+1,35%)
     
  • S&P500

    3.655,04
    -38,19 (-1,03%)
     
  • DOW JONES

    29.260,81
    -329,60 (-1,11%)
     
  • FTSE

    7.020,95
    +2,35 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    -78,13 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    26.431,55
    -722,28 (-2,66%)
     
  • NASDAQ

    11.298,50
    -17,75 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1723
    +0,0747 (+1,47%)
     

Dólar baterá R$5,95 no 2º tri de 2023, prevê Société Générale

Notas de dólares

(Reuters) - A taxa de câmbio brasileira deverá permanecer dentro de um intervalo estreito, mas com inclinação para enfraquecimento, disse Bertrand Delgado, estrategista para mercados emergentes do banco Société Générale, segundo o qual investidores continuarão tensos em relação às perspectivas fiscais no pós-eleição, num combo que impulsionará o dólar para 5,95 reais em junho de 2023.

Em relatório, Delgado citou a força do dólar no exterior, os rendimentos mais altos dos títulos do Tesouro norte-americano, a elevada volatilidade dos mercados --na esteira de um Fed com discurso contracionista para a política monetária-- e a percepção de fim do ciclo de alta de juros no Brasil como ventos contrários à moeda doméstica, afetada ainda pela piora dos termos de troca.

"Enquanto isso, os investidores permanecerão provavelmente inquietos sobre a sustentabilidade fiscal pós-eleições, especialmente sobre como reverter os gastos fiscais impulsionadores (redução de impostos, programas de auxílio) à medida que a economia desacelera rapidamente (de 2022 para 2023)", acrescentou o estrategista.

O Société Générale estima que o dólar fechará este ano em 5,50 reais, disparando ao fim de junho de 2023 a 5,95 reais. A cotação no mercado à vista era negociada em torno de 5,17 reais nesta segunda-feira.

Mas a moeda brasileira ainda teria pontos favoráveis --o retorno ajustado pelo risco e a avaliação "barata", que funcionariam como um "colchão", segundo Delgado.

(Por José de Castro)