Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.552,44
    +12,61 (+0,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.669,25
    +467,44 (+1,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,82
    -0,21 (-0,52%)
     
  • OURO

    1.924,30
    -5,20 (-0,27%)
     
  • BTC-USD

    12.899,68
    +1.842,67 (+16,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    258,16
    +13,27 (+5,42%)
     
  • S&P500

    3.435,56
    -7,56 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    28.210,82
    -97,97 (-0,35%)
     
  • FTSE

    5.776,50
    -112,72 (-1,91%)
     
  • HANG SENG

    24.754,42
    +184,88 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    23.498,54
    -140,92 (-0,60%)
     
  • NASDAQ

    11.631,50
    -59,75 (-0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6510
    +0,0010 (+0,02%)
     

Dólar avança contra real com preocupações sobre vacina e de olho em fiscal

Por Luana Maria Benedito
·2 minutos de leitura

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar engatava forte alta contra o real nesta terça-feira de pós-feriado doméstico, em sessão marcada pela cautela global depois que um importante estudo de uma vacina para a Covid-19 foi interrompido, enquanto os investidores continuavam de olho na saúde fiscal doméstica.

Às 10:31, o dólar avançava 1,04%, a 5,5843 reais na venda, depois de ter operado perto da estabilidade nos primeiros minutos de negociações.

Na B3, o dólar futuro tinha alta de 0,86%, a 5,584 reais.

O movimento do dólar no mercado de câmbio doméstico acompanhava o comportamento da divisa no exterior, uma vez que peso mexicano, lira turca e dólar australiano, moedas consideradas arriscadas, operavam em queda. O índice do dólar contra uma cesta de pares fortes subia mais de 0,2%.

A onda de cautela global observada nesta terça-feira veio na esteira da notícia de que a farmacêutica Johnson & Johnson suspendeu os testes clínicos de sua candidata a vacina contra o coronavírus devido a uma doença inexplicável em um participante do estudo, adiando um dos esforços mais promissores para conter a pandemia global.

"A cautela dos investidores reflete a divulgação de balanços corporativos nos EUA, as dificuldades de um desfecho nas negociações do Brexit e as notícias sobre a paralisação de testes da vacina", disseram em nota analistas do Bradesco.

Enquanto isso, no Brasil, a agenda fiscal continuava sob os holofotes em meio a dúvidas sobre como um programa de assistência social do governo será financiado sem furar o teto de gastos.

Diante do orçamento apertado, o atraso na agenda de reformas do governo de Jair Bolsonaro, uma de suas promessas eleitorais, segue prejudicando o apetite por risco dos investidores locais.

"As reformas estruturantes continuam cada vez mais necessárias e a insistência do Ministério da Economia e do Banco Central no tema não é à toa, pois em meio aos gastos extraordinários da pandemia, cresceu fortemente o apetite da classe política por gastos que superem o teto legal, ou mesmo que o revejam de alguma forma", escreveu Jason Vieira, economista-chefe da Infinity Asset.

No final da semana passada, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, voltou a chamar atenção para as preocupações fiscais como causa para a volatilidade do mercado. Sobre o atual patamar da taxa Selic, Campos Neto disse que, em razão de questões prudenciais e de estabilidade financeira, o espaço remanescente para cortar ainda mais os juros --atualmente na mínima histórica de 2%--, se existente, deverá ser pequeno.

Em 2020, diante das incertezas domésticas e do ambiente de juros extremamente baixos, o dólar acumula salto de cerca de 39% contra o real.

O dólar negociado no mercado interbancário fechou a última sessão, na sexta-feira, em queda de 1,12%, a 5,5268 reais na venda.

O Banco Central fará nesta terça-feira leilão de swap tradicional para rolagem de até 10 mil contratos com vencimento em abril e julho de 2021.