Mercado fechará em 2 h 58 min
  • BOVESPA

    107.545,58
    -905,62 (-0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.579,31
    +137,10 (+0,30%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,79
    +0,64 (+0,78%)
     
  • OURO

    1.667,70
    -2,30 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    19.486,56
    -31,35 (-0,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    445,35
    -0,63 (-0,14%)
     
  • S&P500

    3.631,74
    -87,30 (-2,35%)
     
  • DOW JONES

    29.151,01
    -532,73 (-1,79%)
     
  • FTSE

    6.881,59
    -123,80 (-1,77%)
     
  • HANG SENG

    17.165,87
    -85,01 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    26.422,05
    +248,07 (+0,95%)
     
  • NASDAQ

    11.208,00
    -347,75 (-3,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2764
    +0,0438 (+0,84%)
     

Dólar atinge recorde contra principais moedas após dados fortes

(Bloomberg) -- Um indicador da força do dólar subiu para um novo recorde na quinta-feira, enquanto os yields dos títulos do Tesouro americano dispararam e o iene se desvalorizou além do nível de 140 por dólar pela primeira vez desde 1998.

Dados que mostraram estabilidade no setor industrial americano e queda nos pedidos de seguro-desemprego no país desencadearam uma derrocada dos títulos do Tesouro, com o mercado cada vez mais convencido de que o Federal Reserve pode implementar outro aumento de 0,75 ponto percentual na taxa básica de juros no final deste mês. Todos agora se voltam para o próximo relatório de folhas de pagamento que será divulgado na sexta-feira.

O Bloomberg Dollar Spot Index, que acompanha a moeda americana em relação a uma cesta de pares de mercados desenvolvidos e emergentes, subiu até 0,9%, para 1.307,27. O recorde anterior para o índice, que remonta a cerca de 18 anos, veio no mês passado após dados de inflação mais quentes do que o esperado. O par dólar-iene subiu até 0,9%, para 140,22.

O dólar se fortalece contra moedas de todo o mundo. Na quinta-feira, a libra britânica estendeu seu declínio pelo quinto dia e atingiu uma nova mínima de dois anos e meio, enquanto o euro caiu abaixo da paridade após dados de empregos. O yuan chinês estendeu sua queda pelo sexto mês consecutivo.

“Se são esses fluxos mais profundos e estáveis que estão por trás da força do dólar, podemos ter um recuo amanhã, mas seria superficial”, disse o chefe global de estratégia cambial do Banco de Montreal, Greg Anderson, que vê algum potencial para o indicador do dólar subir ainda mais.

Os ganhos do dólar este ano foram alimentados por uma combinação de taxas de juros mais altas, busca por refúgio em ativos americanos e preocupações com o crescimento global. Perspectivas ruins para a Europa, preocupações geopolíticas em torno dos preços vertiginosos do gás e a guerra russa na Ucrânia só ajudaram a fortalecer o dólar nas últimas semanas.

A incerteza sobre se o Federal Reserve aumentará sua taxa básica de juros em meio ou 0,75 ponto percentual em setembro fez com que o dólar oscilasse no mês passado.

O impulso de alta mais recente ocorreu quando o rendimento dos títulos do Tesouro americano de 10 anos subiram até 0,10 ponto percentual para 3,29% na quinta-feira.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.