Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.750,22
    +1.458,62 (+1,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.646,03
    -288,18 (-0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    46,09
    +0,45 (+0,99%)
     
  • OURO

    1.842,00
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    19.082,94
    +34,65 (+0,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    365,19
    -14,05 (-3,71%)
     
  • S&P500

    3.699,12
    +32,40 (+0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.218,26
    +248,74 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.550,23
    +59,96 (+0,92%)
     
  • HANG SENG

    26.835,92
    +107,42 (+0,40%)
     
  • NIKKEI

    26.751,24
    -58,13 (-0,22%)
     
  • NASDAQ

    12.509,25
    +47,00 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2497
    +0,0137 (+0,22%)
     

Dólar aproxima-se de R$ 5,40, mas cai na semana

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil*
·2 minuto de leitura

Num dia de tensões no mercado financeiro, o dólar teve a maior alta diária desde o fim de outubro, mas encerrou a semana em queda de 1,63%. A bolsa caiu, acompanhando a movimentação no exterior, mas fechou a semana com alta de 1,16%.

O dólar comercial encerrou esta sexta-feira (20) vendido a R$ 5,386, com alta de R$ 0,072 (+1,35%). A moeda norte-americana chegou a abrir o dia em queda, mas passou a subir ainda durante a manhã, à medida que o pessimismo se consolidou no mercado internacional. Essa foi a maior valorização diária do dólar desde 28 de outubro, quando a divisa tinha subido 1,42%.

Apesar da alta desta sexta, a divisa acumula queda de 6,14% em novembro. No ano, o dólar valorizou-se 34,24%.

No mercado de ações, o índice Ibovespa, da B3, fechou a sexta-feira aos 106.042 pontos, com recuo de 0,59%. O indicador chegou a operar em leve alta durante a manhã, mas inverteu o movimento e passou a cair.

Tanto o dólar como a bolsa seguiram os mercados externos. O aumento de casos de covid-19 nos Estados Unidos e em países da Europa desanimaram os investidores internacionais, apesar dos avanços registrados nos últimos dias em diversas vacinas.

Outros dois fatores contribuíram para o pessimismo. A estagnação nas discussões sobre um novo pacote de estímulo nos Estados Unidos voltou a influenciar o mercado. Ontem, os líderes das bancadas democrata e republicana no Senado norte-americano tinham anunciado a disposição em retomar as conversas, mas as negociações não avançaram nesta sexta.

O segundo fator foi a decisão do secretário de Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, anunciar uma restrição de financiamentos para programas de socorro do Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano). A instituição financeira emitiu comunicado em que afirma que a medida não causará problemas porque o próprio Fed pode remanejar recursos internos.

No Brasil, o mercado também repercutiu uma declaração do ministro da Economia, Paulo Guedes, de que o país pode vender uma pequena parcela das reservas internacionais para reduzir um pouco o endividamento público. Nesta tarde, o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, confirmou que a proposta está em estudo, mas que a decisão final cabe ao Banco Central .

* Com informações da Reuters