Mercado fechará em 4 h 34 min
  • BOVESPA

    103.723,82
    +1.499,56 (+1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,71
    +4,56 (+6,69%)
     
  • OURO

    1.789,10
    +1,00 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    57.252,95
    +2.862,62 (+5,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.434,70
    -20,71 (-1,42%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,06 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.158,21
    +114,18 (+1,62%)
     
  • HANG SENG

    23.852,24
    -228,28 (-0,95%)
     
  • NIKKEI

    28.283,92
    -467,70 (-1,63%)
     
  • NASDAQ

    16.243,75
    +192,75 (+1,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2939
    -0,0546 (-0,86%)
     

Dólar aprofunda perdas e vai abaixo de R$5,55; investidores monitoram fiscal e BC

·2 min de leitura

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar aprofundou as perdas contra a moeda brasileira nesta segunda-feira, chegando a ir abaixo dos 5,55 reais na mínima do dia, com acenos recentes do governo ao mercado financeiro e a reunião de política monetária do Banco Central desta semana dominando a atenção de investidores.

Às 15h53 (de Brasília), o dólar spot caía 1,35%, a 5,5486 reais na venda. Na B3, o dólar futuro tinha desvalorização de 1,76%, a 5,5535 reais.

A moeda norte-americana à vista já vinha de movimento de queda observado durante boa parte das negociações da manhã, mas começou a acelerar as perdas a partir das 13h30 e, por volta das 15h50, foi à mínima do dia, de 5,5426 reais, queda de 1,45%.

Depois que a ameaça concreta de desrespeito ao teto de gastos por parte do governo golpeou os ativos brasileiros na semana passada, investidores estavam de olho em acenos recentes do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Economia, Paulo Guedes, aos mercados financeiros.

Mesmo assim, a percepção de alguns operadores é de que suas sinalizações não chegam nem perto de reverter o intenso baque que a credibilidade fiscal do país sofreu com os planos do governo de pagar o Auxílio Brasil com gastos fora de seu limite fiscal.

Fernando Bergallo, diretor de operações da FB Capital, disse que a queda do dólar nesta segunda-feira não reflete qualquer melhora no cenário fiscal e é apenas ajuste "natural" depois da forte valorização acumulada pela moeda na semana passada -- de 3,115%.

Também chamava a atenção dos mercados a reunião de política monetária do Banco Central, que começa na terça-feira e termina na quarta, uma vez que várias instituições financeiras importantes têm elevado suas projeções para o ritmo de aperto a ser anunciado pela autarquia, prevendo elevação de 125 a 150 pontos-base da taxa Selic.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos