Mercado abrirá em 1 h 49 min
  • BOVESPA

    108.651,05
    +248,77 (+0,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.241,81
    -113,05 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,31
    -1,19 (-1,31%)
     
  • OURO

    1.806,40
    -5,90 (-0,33%)
     
  • BTC-USD

    23.088,60
    -303,87 (-1,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    536,50
    -20,85 (-3,74%)
     
  • S&P500

    4.122,47
    -17,59 (-0,42%)
     
  • DOW JONES

    32.774,41
    -58,13 (-0,18%)
     
  • FTSE

    7.490,84
    +2,69 (+0,04%)
     
  • HANG SENG

    19.610,84
    -392,60 (-1,96%)
     
  • NIKKEI

    27.819,33
    -180,63 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    13.055,00
    +23,50 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2450
    +0,0123 (+0,24%)
     

Dólar amplia máxima em 6 meses à espera de alta dos juros

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os mercados de ações e de câmbio do país encerraram esta sexta-feira (22) perto da estabilidade, em um dia em que investidores apenas ajustaram suas expectativas para a elevação dos juros nos Estados Unidos na semana que vem.

O Ibovespa, índice de referência da Bolsa de Valores brasileira, cedeu 0,12%, a 98.912 pontos. Apesar da queda, o indicador acumulou elevação de 2,46% nesta semana.

O dólar subiu 0,03%, cotado a R$ 5,4990. No acumulado semanal, a moeda americana subiu 1,74%.

A perspectiva que provocou a calmaria desta sexta poderá ser validada na próxima quarta-feira (27), caso o Fed (Federal Reserve, o banco central americano) confirme a expectativa do mercado.

"O mercado já está dando como certo o 0,75 ponto percentual do Fed na semana que vem", disse Fernando Giavarina, chefe de câmbio da Valor Investimentos.

Apesar de esperada e precificada, a alta prevista para os juros americanos irá igualar o aumento aplicado pela autoridade monetária dos EUA em junho, a maior em quase 30 anos.

O processo de elevação de juros é adotado pelas principais economias mundiais em uma tentativa de desacelerar a inflação que se espalhou pelo globo com a quebra das cadeias de suprimentos durante a pandemia.

Nesta semana, o BCE (Banco Central Europeu) elevou a taxa básica de juros na região em 0,50 ponto percentual, a primeira alta desde 2011. ​

Economista-chefe da Suno Research, Gustavo Sung aponta dados da Eurostat, agência de estatísticas da União Europeia, que indicam que os preços ao consumidor (CPI) para a Zona do Euro subiram para 8,6% em junho no acumulado de 12 meses. Um ano atrás a inflação estava em 1,9%.

"Inflação alta, possibilidade de recessão, a própria demora em elevar as taxas de juros pelo BCE, os efeitos da guerra na Ucrânia e problemas de fornecimento de energia, são todos fatores que aumentaram as incertezas em relação ao bloco", diz Sung.

"Acreditamos que o aperto monetário pelo BCE deve continuar esse ano com mais duas possíveis altas. Ressaltamos, porém, que os aumentos serão insuficientes para conter a inflação e melhorar a situação econômica da Europa. Para sair efetivamente dessa situação, o continente deveria focar em incentivos para investimentos, criação de empregos e melhora da saúde financeira no setor público e privado", diz Maria Levorin, gestora da Multiplica Capital.

A especialista diz ainda que, como consequência da decisão do BCE, enxerga um cenário negativo para o crescimento das economias, dado os temores da recessão que levariam os países a entrar em estagflação (combinação de baixo crescimento e inflação alta).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos