Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.716,00
    -2.354,48 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    -928,98 (-2,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,43
    -4,06 (-4,86%)
     
  • OURO

    1.651,70
    -29,40 (-1,75%)
     
  • BTC-USD

    18.933,62
    -86,66 (-0,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    434,61
    -9,92 (-2,23%)
     
  • S&P500

    3.693,23
    -64,76 (-1,72%)
     
  • DOW JONES

    29.590,41
    -486,27 (-1,62%)
     
  • FTSE

    7.018,60
    -140,92 (-1,97%)
     
  • HANG SENG

    17.933,27
    -214,68 (-1,18%)
     
  • NIKKEI

    27.153,83
    -159,30 (-0,58%)
     
  • NASDAQ

    11.388,00
    -177,50 (-1,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0976
    +0,0649 (+1,29%)
     

Dólar vai acima de R$5,20 em meio a cautela com Fed; mercado digere dados dos EUA e IBC-Br

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar tinha alta contra o real na manhã desta quinta-feira, à medida que temores sobre um aperto monetário muito agressivo por parte do banco central norte-americano continuavam impondo cautela, enquanto investidores digeriam dados econômicos melhores do que o esperado tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos.

Às 10:20 (de Brasília), o dólar à vista avançava 0,71%, a 5,2154 reais na venda.

Na B3, às 10:20 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 0,94%, a 5,2370 reais.

A moeda norte-americana, que abriu o pregão com alta bem mais tímida, começou a ganhar fôlego após as 9h30 (de Brasília), depois que o Departamento de Comércio dos EUA informou que as vendas no varejo do país aumentaram 0,3% no mês passado, superando a expectativa em pesquisa da Reuters de estabilidade sobre julho.

"Uma leitura acima do esperado sugere uma aceleração econômica, e pode motivar uma expectativa de alta nos juros futuros dos EUA, o que direciona o fluxo de capital para lá (EUA), ocasionando uma alta do dólar ante o real", disseram em nota estrategistas da Travelex.

O dólar foi impulsionado globalmente mais cedo nesta semana em meio a projeções cada vez mais agressivas para a conduta de política monetária do Federal Reserve, banco central norte-americano.

Depois que dados de inflação ao consumidor dos EUA de terça-feira surpreenderam para cima, os mercados passaram a dar como praticamente certa a adoção de aumento de juro de 0,75 ponto percentual na reunião de setembro do Fed, com pequenas chances de haver ajuste ainda mais agressivo, de 1 ponto completo.

Colaborando ainda mais para essas apostas, uma leitura separada desta quinta-feira mostrou queda nos pedidos semanais de auxílio-desemprego nos EUA, o que reforça um cenário de força do mercado de trabalho. Economistas acreditam que o Fed precisará permitir perdas de emprego para que possa ter sucesso em sua missão de reduzir a inflação.

O banco central norte-americano, que já subiu sua taxa básica de juros em 2,25 pontos percentuais desde março deste ano, se reúne para deliberar sobre a política monetária na semana que vem, nos dias 20 e 21.

No Brasil, fornecendo algum alívio a investidores, dados mostraram que o indicador da atividade econômica do Banco Central (IBC-Br) de julho subiu 1,17% sobre o mês anterior, resultado bem acima do esperado.

"Para a economia e para o país toda melhora é bem-vinda, apesar da pressão que possa vir por juros altos por mais tempo", disse Sergio Machado, sócio e gestor da Trópico, em publicação do Twitter sobre o resultado do IBC-Br. "Não podemos esquecer que acompanhado de um crescimento maior temos as inflações perdendo força."

A taxa Selic está atualmente em 13,75%. O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central fará reunião na semana que vem, nos mesmos dias que o encontro do Fed. A maior parte dos mercados (60%) acredita na manutenção dos juros básicos no patamar atual, segundo probabilidades implícitas em contratos futuros, mas consideráveis 40% enxergam elevação da Selic a 14% neste mês.

Na véspera, a moeda norte-americana à vista teve queda de 0,22%, a 5,1787 reais na venda.