Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,82 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,96 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,58
    +0,21 (+0,32%)
     
  • OURO

    1.848,00
    +9,90 (+0,54%)
     
  • BTC-USD

    46.489,78
    -455,14 (-0,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.297,01
    -61,55 (-4,53%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,73 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,87 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,47 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.403,75
    +16,75 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4042
    +0,0002 (+0,00%)
     

Dólar vira e cai seguindo exterior e com atenção a Orçamento

Luana Maria Benedito
·2 minuto de leitura
Dólar acompanha exterior e cede terreno ante real

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar abandonou a alta de mais cedo e passou a cair ante o real no fim da manhã desta segunda-feira, sucumbindo ao viés externo de enfraquecimento da divisa norte-americana, enquanto no plano doméstico as atenções seguiam voltadas para o desfecho do Orçamento, que deve ocorrer no máximo até quinta.

Às 12:45, o dólar recuava 0,45%, a 5,5603 reais na venda. A moeda oscilou entre 5,6232 reais (+0,67%) e 5,5413 reais (-0,79%).

O dólar vinha em alta até por volta de 11h15, quando uma série de ordens de vendas foram acionadas e derrubaram a cotação. No mesmo momento, o índice do dólar frente a uma cesta de divisas no exterior também acelerou a queda, aproximando-se de mínimas da sessão.

De forma geral investidores globais seguiam repercutindo a percepção de que o banco central dos Estados Unidos manterá estímulos por tempo indeterminado, enquanto a retomada econômica no mundo ampliava a demanda por ativos mais arriscados, caso das moedas emergentes --grupo do qual o real faz parte.

Apesar de toda a volatilidade, a divisa brasileira tem seguido o comportamento de seus pares mais recentemente.

Mas do lado doméstico o clima de incerteza --e de expectativa-- se mantinha. A novela envolvendo o Orçamento de 2021 --considerado inexequível na forma como aprovado pelo Congresso, com subestimativa de despesas obrigatórias-- dominava o foco dos mercados, que ficavam à espera de uma resolução.

"Devemos ter uma solução para o Orçamento essa semana", disse em post no Twitter Rafaela Vitoria, economista-chefe do Banco Inter. "Além do esperado acordo, o controle da pandemia e reabertura da economia devem melhorar as perspectivas para o resultado fiscal", acrescentou, mas ressaltou que essas previsões dizem respeito apenas ao curto prazo, uma vez que o país pode voltar a apresentar riscos às contas públicas este ano e em 2022.

Thiago Andrade, sócio da Athena-BGA Investimentos, disse à Reuters que a "pressão (sobre o real) pelo risco fiscal vai continuar".

"Não acho que vamos ter um real mais valorizado por um bom tempo, a não ser que fatores internacionais afetem o mercado doméstico."

Andrade chamou atenção para dados mostrando que a atividade econômica brasileira registrou o nível mais forte de expansão em sete meses em fevereiro, no décimo mês seguido de crescimento, segundo dados do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br).

Segundo ele, o resultado promissor pode ser um fator de alívio para a moeda brasileira nesta segunda-feira.