Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.122,68
    -226,57 (-1,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Dólar abre pregão em queda frente o real

*ARQUIVO* São Paulo, SP, Brasil, 24-01-2019: Cédulas de dólar. Papel Moeda. Dinheiro. (foto Gabriel Cabral/Folhapress)
*ARQUIVO* São Paulo, SP, Brasil, 24-01-2019: Cédulas de dólar. Papel Moeda. Dinheiro. (foto Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar abriu em queda frente ao real nesta sexta-feira (9), acompanhando movimento visto nos mercados internacionais e com investidores digerindo dados de inflação domésticos que vieram em linha com o esperado.

O IBGE informou que o IPCA caiu 0,36% em agosto, acumulando alta de 8,73% em 12 meses. A expectativa de analistas era de queda de 0,39% no mês e de alta de 8,72% em 12 meses.

Às 9h11 (de Brasília), o dólar à vista recuava 0,38%, a R$ 5,1870 na venda.

Na B3, às 9h11 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 0,62%, a R$ 5,2145.

Nesta quinta-feira (8), o mercado pesou mais um aumento de juros em uma das principais economias do planeta. O BCE (Banco Central Europeu) anunciou uma alta de 0,75 ponto percentual em sua taxa de juros na tentativa de conter a inflação na região. Esse foi o segundo ajuste consecutivo, após a alta de 0,50 ponto em julho, elevando a taxa para 1,25% ao ano. É o nível mais alto desde 2011.

A inflação acumulada em 12 meses até agosto na região é de 9,1%, muito acima da meta de 2% ao ano.

Nos mercados de ações, o efeito esperado desse aperto monetário é redução de liquidez. Na prática, investidores ficam com menos recursos para aplicar em ativos arriscados, como ações de empresas.

Embora a decisão do BCE tenha provocado quedas nas Bolsas nas primeiras horas do dia, os mercados assimilaram o golpe no decorrer da tarde.

A Bolsa de Frankfurt terminou o dia com ligeira queda de 0,09%. Paris e Londres fecharam com ganhos idênticos, de 0,33%.

Na esteira da decisão do BCE, a moeda comum europeia subiu 0,29% em relação ao dólar, quase retomando a paridade com a divisa americana.

A libra esterlina também subiu ligeiramente, 0,17%, após ter renovado na véspera o menor patamar frente ao dólar desde 1985.

No câmbio brasileiro, o euro teve valorização de 0,34%, cotado a R$ 5,2062.

Reforçando a expectativa de investidores internacionais sobre um período de forte contração monetária, o presidente do Fed (Federal Reserve, o banco central americano), Jerome Powell, disse que os Estados Unidos devem continuar a agir energicamente para reduzir a demanda e conter a pressão sobre os preços para evitar um pico de inflação como o observado nas décadas de 1970 e 1980.

"Precisamos agir agora diretamente, energicamente, como temos feito e devemos continuar a fazê-lo até que o trabalho seja concluído para evitar [...] os custos sociais altíssimos", disse Powell, em uma referência às medidas consideradas extremas adotadas por Paul Volcker, presidente do Fed na época.

Apesar das oscilações provocadas por BCE e Fed, o índice de referência da Bolsa de Nova York, o S&P 500, subiu 0,66%. Os indicadores Dow Jones e Nasdaq avançaram 0,61% e 0,60%, respectivamente.

No mercado internacional de petróleo, o preço do barril do Brent avançava 0,57% no encerramento da tarde, cotado a US$ 88,50 (R$ 461,51). O valor da matéria-prima se recuperava apenas parcialmente do tombo de 5,20% na véspera.

O preço da commodity foi severamente impactado por dados da balança comercial da China significativamente abaixo das previsões. O país sofreu com o impacto negativo do aumento da inflação para a demanda no exterior, ao mesmo tempo em que voltou a conviver com novas restrições por causa da Covid-19 e com ondas de calor que interromperam a produção.

As importações de petróleo pela China caíram 9,4% em agosto em relação ao ano anterior, com a extensão das restrições de mobilidade por causa da pandemia reduzindo a demanda por combustível. O gigante asiático é o maior consumidor global de petróleo.

MERCADO IGNORA 7 DE SETEMBRO DE BOLSONARO

O cenário no mercado financeiro neste pós-feriado de 7 de Setembro é bem diferente em relação ao ano anterior, quando atos promovidos pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) e seus apoiadores derrubaram ações e a moeda brasileira.

O índice Ibovespa avançou 0,14%, aos 109.915 pontos. O dólar comercial caiu 0,61%, cotado a R$ 5,2070 na venda.

"Bolsonaro falou apenas para a clientela dele", comentou o economista Roberto Macedo, diretor acadêmico da Faculdade do Comércio de SP, sobre o desempenho da Bolsa brasileira nesta quinta. "O risco fiscal das medidas que ele [Bolsonaro] vem adotando, como a ampliação do Auxílio Brasil, já estava precificado no câmbio e na Bolsa", afirmou.

Antes de os indicadores confirmarem que o 7 de Setembro passou ao largo do mercado, empresários já tinham relatado à Folha de S.Paulo que não ficaram surpresos com as manifestações bolsonaristas.

As finanças do país também passaram por um dia de ajustes em relação ao pregão de terça-feira (6), quando o dólar subiu 1,72% e o Ibovespa recuou 2,17% na esteira de sinalizações do BC (Banco Central) de que a taxa de juros pode permanecer em patamar mais elevado por um período acima do previsto pelos investidores.