Mercado abrirá em 4 h 40 min
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,61
    +0,34 (+0,51%)
     
  • OURO

    1.869,10
    +1,50 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    45.361,92
    +536,20 (+1,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.261,34
    +63,43 (+5,29%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.067,24
    +34,39 (+0,49%)
     
  • HANG SENG

    28.572,97
    +378,88 (+1,34%)
     
  • NIKKEI

    28.406,84
    +582,01 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    13.403,25
    +99,75 (+0,75%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4277
    +0,0178 (+0,28%)
     

Dólar cai com apetite por risco no exterior; mercado aguarda LDO

José de Castro
·2 minuto de leitura
Nota de dólar

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar caía na manhã desta quinta-feira, mais uma vez influenciado pelo ambiente externo propício a risco, mas investidores vão monitorar na pauta doméstica a entrega da LDO de 2022, ainda em meio às discussões sobre o Orçamento deste ano.

O dólar à vista recuava 0,92%, a 5,6180 reais, às 9h34. A moeda acelerou as perdas após dados melhores que o esperado nos Estados Unidos.

Na quarta, a moeda perdeu 0,83%, a 5,6699 reais na venda.

Várias divisas de risco como o real ganhavam terreno nos mercados internacionais, amparadas pelo otimismo de investidores em meio a novos balanços corporativos positivos nos Estados Unidos e também a mais indicadores macro acima do esperado. Os futuros de Wall Street subiam, as commodities avançavam, e os rendimentos dos Treasuries caíam.

No Brasil, as atenções do mercado se voltavam para a apresentação pelo governo do projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2022, estabelecendo os parâmetros para a peça orçamentária do próximo ano, incluindo uma meta fiscal.

O foco ainda é mais destacado porque o país nem sequer resolveu o impasse em torno do Orçamento de 2021, com o mercado recebendo diariamente informações sobre novas propostas discutidas no governo para resolver o imbróglio --as quais até aqui têm desagradado investidores.

Analistas e o próprio presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, reconhecem o peso da preocupação fiscal nos preços do dólar, que nos atuais patamares faz do real a moeda mais barata no mundo, segundo o Deutsche Bank.

"No curto prazo, o principal risco a ser monitorado são as despesas fora do teto de gastos em medidas para a Covid-19", disseram em nota Mansueto Almeida e Fabio Serrano, do BTG Pactual.

"A médio prazo, um ponto central em nossas simulações é o cumprimento do teto de gastos. Os eventos recentes mostraram explicitamente a existência de pressões políticas para encontrar formas de contornar o instrumento, o que pode piorar rapidamente a trajetória do ajuste fiscal."