Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.528,97
    +456,35 (+0,95%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,61
    +0,17 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.783,40
    +5,00 (+0,28%)
     
  • BTC-USD

    55.574,36
    +874,77 (+1,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.276,74
    +42,33 (+3,43%)
     
  • S&P500

    4.134,94
    -28,32 (-0,68%)
     
  • DOW JONES

    33.821,30
    -256,33 (-0,75%)
     
  • FTSE

    6.859,87
    -140,21 (-2,00%)
     
  • HANG SENG

    28.599,78
    -535,95 (-1,84%)
     
  • NIKKEI

    28.526,22
    -574,16 (-1,97%)
     
  • NASDAQ

    13.732,75
    -61,50 (-0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6878
    -0,0147 (-0,22%)
     

Dólar anula queda ante real com piora externa; mercado aguarda ata do Fed

José de Castro
·1 minuto de leitura
Dólar abre em leve queda antes de ata do Fed e com foco local em pandemia e Orçamento

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar zerou as perdas de mais cedo e passou a oscilar perto da estabilidade nesta quarta-feira, mas com viés de alta. As compras aceleraram por volta de 11h45 e levaram a moeda aos picos da sessão, conforme as operações locais acompanhavam a piora de ativos no exterior, o que também afetou a bolsa brasileira.

O dólar à vista subia 0,11%, para 5,6070 reais, depois de bater há pouco uma máxima de 5,6192 reais (+0,32%) e bem distante da mínima marcada no fim da manhã (5,5491 reais, queda de 0,94%).

No exterior, o índice do dólar também anulou as perdas, após cair 0,18% mais cedo, quando atingiu um piso em duas semanas. Wall Street oscilava entre estabilidade e queda, após valorização no começo do dia, e o Ibovespa caía 0,4%, revertendo ganho de 0,49% de mais cedo.

A piora dos mercados coincidiu com a divulgação de detalhes sobre o plano do governo do presidente norte-americano, Joe Biden, para o sistema tributário. O tema tem deixado investidores tensos, com a Casa Branca defendendo aumento de impostos corporativos e em busca de um acordo sobre uma alíquota mínima global de tributo sobre empresas.

Agentes financeiros aguardavam ainda a ata da última reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), às 15h de Brasília. O mercado vai buscar no documento pistas sobre as avaliações do BC norte-americano sobre a retomada da economia e eventuais dicas acerca de qualquer pensamento sobre redução de estímulos.