Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.927,60
    -2,40 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    22.981,60
    +93,50 (+0,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Dólar opera sem direção clara com foco em Davos e em dia de feriado nos EUA

Cédulas e moedas de dólares

Por Andre Romani

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar à vista alternava leves ganhos e perdas ante o real nesta segunda-feira, em pregão que deve ter menor liquidez uma vez que as bolsas nos Estados Unidos ficarão fechadas para o feriado de Martin Luther King Jr.

Na cena local, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, inicia nesta segunda-feira sua agenda no Fórum Econômico Mundial de Davos.

Às 10:28 (de Brasília), o dólar à vista avançava 0,06%, a 5,1104 reais na venda.

Na B3, às 10:28 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 0,21%, a 5,1265 reais.

Na Suíça, Haddad tem encontro com Achim Steiner, chefe do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), seguido de reunião com o presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Ilan Goldfajn.

"Em Davos, Haddad busca mostrar uma agenda nacional mais em sintonia com o mundo, argumentando que o 'Capitólio brasileiro' é um episódio superado", escreveram os analistas da Mirae Asset em relatório.

O ministro cumpre a agenda internacional após, na semana passada, apresentar um pacote de medidas econômicas que foi, em geral, bem visto pelos agentes de mercado, ainda que com ressalvas. A iniciativa foi bem avaliada, mas as propostas foram lidas como de curto prazo e muito focadas em elevar receitas em vez de cortar despesas.

Victor Beyruti, economista da Guide Investimentos, disse à Reuters que o início de semana é "morno", sendo que o principal destaque é a presença do ministro em Davos.

"O real tem tido uma dinâmica mais favorável principalmente por um exterior mais favorável", afirmou ele. "A falta de liquidez e a desaceleração no ritmo de alta das commodities acho que desfavorece o real", acrescentou, citando em especial a queda do minério de ferro na Ásia. O dólar recuou 2,46% na semana passada ante o real.

Agentes financeiros mantêm no radar possíveis novidades sobre uma nova âncora fiscal para o país, bem como uma definição em relação à execução do salário mínimo proposto para 2023.

A agenda de dados econômicos locais na semana é mais esvaziada, com IGP-10 na terça-feira e dado de desemprego na quinta-feira. Nesta manhã, a pesquisa Focus do Banco Central mostrou uma alta nas expectativas dos economistas do mercado para a taxa Selic no final de 2023 em comparação à divulgação da semana passada.

No exterior, o dólar operava em leve alta contra uma cesta de moedas fortes, com dados da economia chinesa sob os holofotes do mercado.

A moeda norte-americana exibia ganhos também contra os principais pares emergentes do real.

Na sexta-feira, o dólar à vista subiu 0,14%, a 5,1074 reais na venda.