Mercado abrirá em 2 h 52 min
  • BOVESPA

    120.294,68
    +997,55 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.329,84
    +826,13 (+1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,85
    -0,30 (-0,48%)
     
  • OURO

    1.747,90
    +11,60 (+0,67%)
     
  • BTC-USD

    62.754,39
    -1.412,59 (-2,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.373,69
    -2,09 (-0,15%)
     
  • S&P500

    4.124,66
    -16,93 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.730,89
    +53,62 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.955,56
    +15,98 (+0,23%)
     
  • HANG SENG

    28.793,14
    -107,69 (-0,37%)
     
  • NIKKEI

    29.642,69
    +21,70 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    13.876,75
    +78,00 (+0,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7706
    -0,0023 (-0,03%)
     

Dólar passa rondar estabilidade ante real com exterior e ata do Copom dividindo atenções

Luana Maria Benedito
·3 minuto de leitura
Dólar abre em alta de olho em exterior e ata do Copom

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar passava a trabalhar próximo da estabilidade contra o real nesta terça-feira, depois de ter subido mais cedo, com a força da divisa norte-americana no exterior dividindo atenções com a ata da última reunião de política monetária do Banco Central do Brasil.

Às 10:13, o dólar avançava 0,05%, a 5,5217 reais na venda, depois de ter chegado a subir 0,59% na máxima do dia, a 5,5515 reais. O dólar futuro de maior liquidez ganhava 0,19%, a 5,520 reais.

A alta apresentada mais cedo foi reflexo do avanço de cerca de 0,3% apresentada pelo índice do dólar contra uma cesta de pares fortes e da valorização da moeda norte-americana frente a peso mexicano, peso chileno, rand sul-africano e dólar australiano, divisas consideradas arriscadas.

Nesta manhã, vários analistas citavam a notícia de que a China sofreu sanções de grandes economias por abusos de direitos humanos e a desvalorização da lira após a demissão do presidente do banco central da Turquia como fatores de impulso para o dólar e pressão para divisas emergentes ou ligadas a commodities.

Além disso, a forte disseminação da Covid-19 na Europa ficava no radar, depois que a Alemanha prorrogou um lockdown nacional que já dura meses até o dia 18 de abril.

Por outro lado, chamava a atenção a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil.

O documento, divulgado nesta terça-feira, mostrou que a decisão do Banco Central de elevar a taxa básica de juros em 0,75 ponto percentual na última semana e indicar outra alta do mesmo valor para maio levou em conta os riscos fiscais de curto prazo em meio ao recrudescimento da pandemia no país e preocupações com a desancoragem das expectativas para a inflação.

A avaliação do Copom é de que o cenário básico para a alta dos preços, com forte crescimento nos últimos meses e piora das expectativas para a inflação, já recomendaria o início de um processo de normalização "parcial" das taxas de juros.

"O ponto relevante, a nosso ver, é que o discurso do BC, a despeito de fazer menção a uma normalização parcial, antevê uma recuperação mais forte da atividade econômica no segundo semestre e enxerga menor ociosidade no mercado de trabalho e riscos fiscais assimétricos sobre a inflação, compatíveis com a percepção de maior juro neutro na economia", escreveram analistas do Bradesco.

O baixo patamar da taxa Selic -- que até a semana passada estava numa mínima histórica de 2% -- foi apontado como um dos principais motivos para a forte desvalorização do real no último ano. A perspectiva de elevação de juros pode favorecer a moeda brasileira, uma vez que o maior diferencial de juros entre o Brasil e outros países tornaria rendimentos domésticos mais atraentes, possivelmente atraindo mais capital estrangeiro.

Na véspera, o dólar à vista fechou em alta de 0,64%, a 5,5190 reais na venda.

O Banco Central anunciou para esta sessão leilão de swap tradicional para rolagem de até 16 mil contratos com vencimento em dezembro de 2021 e abril de 2022.